Capa

*”Excluir os bancos cooperativos da oferta de crédito no Rio Grande do Sul é um erro”, afirma Lupion

Frentes parlamentares ligadas ao setor produtivo se unem por expansão de crédito no Rio Grande do Sul

 

Brasília, com Agência FPA

As frentes parlamentares ligadas ao setor produtivo se reuniram nesta quarta-feira (15) com o ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, vice-presidente Geraldo Alckmin, para apresentar uma demanda crucial para o estado do Rio Grande do Sul: a inclusão de bancos estaduais e cooperativas de crédito nas linhas de subvenção do governo federal, visando facilitar o acesso ao crédito pelos produtores rurais atingidos pelas enchentes no estado.

A reunião foi motivada pela necessidade urgente de ampliar o alcance do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) e do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Atualmente, a operação dos R$ 2 bilhões destinados a esses programas, via Medida Provisória, é exclusiva das instituições federais, como o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. No entanto, a baixa presença física desses bancos em muitos municípios afetados pelas enchentes no Rio Grande do Sul tem limitado a efetividade das medidas emergenciais.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Pedro Lupion, argumentou que a inclusão de bancos estaduais e cooperativas de crédito é essencial para garantir que os recursos cheguem a todas as regiões necessitadas. “Limitar o acesso ao crédito aos bancos oficiais é um erro. O Rio Grande do Sul é um estado que tem um dos melhores sistemas cooperativistas do mundo. Os bancos cooperativos do Rio Grande do Sul têm toda a capacidade de integrar esse sistema de auxílio e precisam ser lembrados também”, afirmou.

A reunião também contou com a participação do presidente da Frente de Comércio e Serviços, Domingos Sávio (PL-MG), do presidente da Frente Parlamentar Mista do Biodiesel, Alceu Moreira (MDB-RS) e do presidente da Frente do Cooperativismo, Arnaldo Jardim (Cidadania-SP).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo