Geral

Governo leva ao Show Rural novos produtos criados por universidades do Paraná

Governo mostra no Show Rural novos produtos gerados por universidades do Paraná
Foto: SETI

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), apresenta no Show Rural, em Cascavel, produtos e serviços gerados nas instituições de ensino superior presentes no Estado, viabilizados por meio de fomento do Fundo Paraná e da Fundação Araucária. Estima-se que passem pela feira mais de 300 mil pessoas ligadas ao setor do agronegócio.

No espaço da Seti, dentro do estande da Unioeste, o público pode conferir, entre outras inovações, soluções tecnológicas de baixo impacto ambiental para a agricultura, aromaterapia para a saúde animal, estudo de solo para dar precisão ao manejo agrícola e tecnologia biológica para substituir produtos químicos. São projetos que receberam fomento via Agência de Desenvolvimento Regional Sustentável e de Inovação (Ageuni) e do Programa de Propriedade Intelectual com Foco no Mercado (Prime).

O diretor de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior da Seti, Marcos Aurélio Pelegrina, destaca o momento. “O Show Rural, assim como outros espaços no quais a Seti está presente, se transforma em uma vitrine para a ciência produzida nas nossas universidades. O Governo do Estado, como órgão de fomento, possibilita incentivos e suporte para que possamos criar soluções para serviços e produtos com qualidade e base científica”, afirmou.

A Ageuni incentiva o desenvolvimento socioeconômico por meio do estímulo à participação empresarial em programas e projetos desenvolvidos com as instituições de ensino superior e de pesquisa. Entre os projetos de pesquisa selecionados que são apresentados no Show Rural estão algumas ações praticadas pela Ecodefense, empresa que desenvolve soluções tecnológicas simples e acessíveis de baixo impacto ao meio ambiente, que podem ser aplicadas na agricultura. A solução tecnológica é uma parceria da empresa com a Unioeste

No estande também é apresentada a Plataforma Tecnológica do Vale do Genoma, projeto que envolve as universidades estaduais e também federais e particulares. O projeto analisa o material genético de amostras do solo para identificar a diversidade genética e funcional de todos os micro-organismos, como bactérias e fungos, com objetivo de direcionar o manejo do solo de forma mais precisa e assertiva.

A empresa Natu.me, que atua na aromaterapia com produtos naturais, como os óleos essenciais, também está no espaço da Seti divulgando os estudos que vem realizando com a aromaterapia para a saúde animal, em parceria com a Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Para a gestora da Natu.me, Ana Paula Cruz, participar de atividades da exposição possibilita novas parcerias para desenvolver novos produtos. “No Show Rural encontramos pessoas que têm ligação com a nossa pesquisa. Por exemplo, conhecemos pesquisadores que querem desenvolver conosco produtos para novos nichos de mercado que nem sequer imaginávamos. É uma experiência enriquecedora em diferentes aspectos”, disse.

Outra presença no Show Rural, também relacionada à UEL, é da Bio3 Pesquisa e Desenvolvimento em Bioinsumos. Essa startup foi criada no Laboratório de Biotecnologia Microbiana da instituição de ensino superior. A Bio3 produz tecnologias biológicas como alternativas ao uso de produtos químicos sintéticos, como biofungicidas e bioinseticidas

ALIMENTOS – O programa tem como objetivo transformar os resultados de pesquisas realizadas nas universidades em produtos e serviços que possam ser absorvidos pelo mercado. O projeto Queijo Cumbuca criou um dispositivo para moldar os queijos em forma de recipiente para adição de outros alimentos, como massas, caldos e risotos. A responsável pelo projeto é a tecnóloga em Alimentos Silviane Aparecida Tibola, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) de Dois Vizinhos.

Outra pesquisa que está no Show Rural é o alimento funcional simbiótico, um produto lácteo para consumo humano que contém agentes probióticos, prebióticos e simbióticos a partir do reaproveitamento de resíduos, subprodutos ou coprodutos da indústria láctea. O projeto é de pesquisadores da Unioeste.

INVESTIMENTOS – Nesta quarta-feira (7), serão assinados dois termos de cooperação para fomento à pesquisa e desenvolvimento. Um deles será o acordo de colaboração para a implantação de Laboratório de Referência em Análises de Águas e Efluentes entre a Fundação Araucária, Biopark Educação e Embrapa Suínos e Aves. O laboratório será instalado na Unidade Mista de Pesquisa e Inovação (UMIPI), localizada no Biopark, em Toledo. A assinatura acontecerá no estande do Biopark.

O outro será o do Fundo Verde, que deverá financiar projetos socioambientais e climáticos na região Sul do país. O apoio financeiro se dará por meio de uma chamada pública desenvolvida em parceria com a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Fundação Araucária e o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). O aporte financeiro é de R$ 3,2 milhões, sendo R$ 2 milhões da Seti e Fundação Araucária e R$ 1,2 mi do BRDE. O lançamento do Fundo Verde será no estande do BRDE

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Uia!!!