Agronegócios

Preços dos produtos agropecuários
brasileiros devem sofrer desaceleração

Estudo apresenta perspectivas do setor para 2023

Foto: Jaelson Lucas / Arquivo AEN

Imprensa Indicadores econômicos

Os preços dos principais produtos agropecuários apontam para uma desaceleração ao longo do terceiro trimestre deste ano. É o que mostra a nota Preços e Mercados Agropecuários, divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta sexta-feira (2/12), realizada em parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP). A análise é fruto do acompanhamento dos preços domésticos e internacionais, além do balanço de oferta e demanda dos principais produtos agropecuários brasileiros referentes às safras 2021-2022 e 2022-2023.
De acordo com o documento, alguns fatores estão contribuindo para a queda recente dos preços do setor, que estiveram em trajetória de alta desde 2020 – intensificada com o conflito no Leste Europeu. Dentre eles, se destaca a expectativa de aumento da oferta de diversos produtos. O Brasil, que é um importante ator no mercado internacional, contribuirá na próxima safra (2022/2023), particularmente, com a soja – crescimento previsto de 22,3% na soja em grão, 5,3% no farelo e 5,3% no óleo frente à safra anterior -, o milho (12,0%), o algodão (16,7%) e o café (5,6%). O trigo, principal produto da pauta de importação do país, deve fechar a safra de inverno de 2022 com alta de 23,7% na produção frente à safra do ano passado. A maior disponibilidade dessas commodities tem contribuído também para a recomposição dos estoques de passagem, que vinham caindo desde o início das políticas de isolamento social estabelecidas devido à pandemia de Covid-19.
Segundo a pesquisadora do Cepea e professora da Esalq/USP, Nicole Rennó, “no final do ano, o cenário de preços agropecuários mais elevados frente a 2021 vai se consolidando; entre todos os produtos acompanhados, isso não se verificou apenas para o milho, o arroz e a carne suína. No entanto, entre o segundo e o terceiro trimestres do ano, em geral, as cotações dos produtos agrícolas caíram, enquanto os pecuários subiram. As valorizações observadas na pecuária (com exceção do boi gordo) refletiram, em geral, o aumento da demanda característico para o período”.
Além da oferta dos produtos no mercado, a pesquisadora associada do Ipea e uma das coordenadoras da publicação, Ana Cecília Kreter ressalta que as cotações internacionais impactam o preço doméstico porque o Brasil exporta boa parte dessas commodities. “Como o país é competitivo e um dos principais players no mercado internacional para a maior parte das commodities agropecuárias, o aumento da demanda internacional implica na elevação dos embarques, vide a China”, declara. De fato, a China, que é o maior importador de commodities agropecuárias do mundo, além de ser o principal destino dos embarques brasileiros, tem sido uma das responsáveis pelo aumento do preço internacional do boi gordo. Essa commodity foi a única a registrar aumento contínuo até outubro deste ano e segue tendência de alta desde 2005, com oscilações cíclicas, mas sempre renovando as máximas históricas. Além da maior da demanda, a produção passou por um período de recomposição de rebanho nos principais países produtores, o que impactou a oferta.
Já na comercialização dos grãos, um acordo estabelecido em julho deste ano para a criação de um corredor de trânsito de três portos ucranianos no Mar Negro aliviou a escassez de alimentos por conta do conflito entre Rússia e Ucrânia, que são exportadores relevantes também de fertilizantes. Segundo Kreter, “o acordo, que é visto como uma solução ao comércio desses dois países com o mundo, foi prorrogado em 18 de novembro por mais 120 dias e isso contribuiu para aumentar a oferta mundial desses produtos”.
A crise energética também tem contribuído para a alta nos custos de produção em diferentes etapas da cadeia, uma vez que a energia é um dos itens do cálculo da inflação. De acordo com José Ronaldo Souza Júnior, coordenador de Crescimento e Desenvolvimento Econômico no Ipea, “a combinação do aumento dos custos com a inflação em geral ajudou na desaceleração do consumo mundial e pode impactar ainda mais o consumo por alimentos nos próximos meses”. Na União Europeia, que é o segundo maior importador de commodities agropecuárias do Brasil, o fornecimento de energia foi ainda mais grave. Até fevereiro deste ano, 37,5% do gás consumido na Europa vinha da Rússia e desde então o bloco tem buscado alternativas para o gás russo.
Apesar das incertezas, para 2023, as perspectivas de produção são otimistas. “Até o momento, para a soja, o principal grão produzido no Brasil, o crescimento de área previsto tem sido corroborado com as informações levantadas pela Conab e, não havendo problemas significativos de produtividade, devemos caminhar para uma safra recorde e recuperação das exportações e dos estoques de passagem para o grão no ano que vem”, afirma Allan Silveira, superintendente de Inteligência e Gestão da Oferta da Companhia. Ele acrescenta que o crescimento de área de soja pode ser um bom sinal também para o milho da 2ª safra, principalmente pela importância do milho brasileiro para o abastecimento do mercado nacional e internacional em um ambiente que ainda é de menores estoques do cereal no mundo.
O levantamento do Ipea conta com a participação do Cepea/Esalq/USP para as análises dos preços domésticos e da Conab para as análises de produção e dos balanços de oferta e demanda domésticos.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Uia!!!