Abatiá

Vereadores rejeitam projeto que reduzia diárias no Executivo

Servidores municipais já recebem vale alimentação, promovendo um acúmulo ilegal, diz prefeito

Vereadores rejeitaram na segunda-feira (30) o projeto para reduzir as diárias
CRÉDITO: Antônio de Picolli

Da Redação


A Câmara de Vereadores de Abatiá, por sete votos contra um, rejeitou o Projeto de Lei nº 14/2119, reduzindo drasticamente os valores das diárias pagas ao prefeito, vice, secretários e diretores, igualando o que é pago a motoristas e outros servidores. A medida, segundo o prefeito Nelson Garcia, visa corrigir injustiças e o excesso de gastos com diárias, num momento de redução da arrecadação municipal que compromete a capacidade de pagamento da prefeitura.

Os argumentos foram insuficientes para convencer a esmagadora maioria dos vereadores, entre os quais dois se beneficiam com a manutenção das diárias pelos valores atuais: Jose Donizete da Silva, o Zezão do Ônibus, e José Benedito Gontijo, o Fião da Ambulância. Na visão da vereadora Érika Garcia, única que votou a favor do projeto reduzindo as diárias, os dois parlamentares deveriam se declarar suspeitos por ser parte interessada na matéria, mas preferiram participar da votação.

“Enquanto tivermos lideranças interessadas em manter seus privilégios, fica difícil consertar este país. Está todo mundo vendo que a situação do município está cada vez mais caótica. No ano passado a prefeitura gastou R$ 120 mil em diárias. Tem funcionário que faz da diária seu segundo salário. Isso é um absurdo!”, desabafou Érika.

O prefeito Nelson Garcia, por sua vez, observa que os servidores já recebem R$ 265 mensais de auxílio alimentação. Além disso, os motoristas da prefeitura ainda recebem Auxílio por Tempo de Esperara (ATE), pago quando precisam ficar aguardando os pacientes, com valores que ultrapassam os R$ 600 mensais. “Meu único propósito foi corrigir injustiças, pois não é correto prefeito, vice e outros cargos de direção receber altos valores em detrimento de outros funcionários. O projeto prevê valores iguais para todos, mas parece que os vereadores não entenderam a mensagem”, observa.

Em sua página nas redes sociais o prefeito expôs o projeto assinalando ser o primeiro na história de Abatiá que diminui regalias. “O sistema atual de diárias é injusto com a maioria dos trabalhadores sendo pago valor três vezes maior ao prefeito e secretários com relação aos demais servidores. Com aprovação do Projeto de Lei nº 14 os servidores, como motoristas receberão o mesmo valor que o prefeito e secretários?”, questiona no texto.

Nelson Garcia lembra que a diária tem caráter exclusivamente para alimentação e hospedagem, e como o Município tem vale alimentação, os servidores não podem receber diárias acumulando com o vale. “A nova Lei, vai diminuir os gastos com diárias, dar igualdade a todos os servidores, e adequar a legislação municipal”, explica, assinalando que no ano de 2018 foram gastos aproximadamente 120 mil reais em diárias. “Com a provação desse Projeto de Lei estimamos uma economia de 60% do valor”, pondera.

Vale ressaltar que o servidor ainda terá direito a diária quando realizar viagens a serviço, porém o valor será exatamente o necessário para alimentação e hospedagem, nada a mais, nem a menos, e também não acontecerá de servidor receber valor maior por ter cargo diferente.

Caso aprovado os valores ficariam da seguinte forma:

VIAGENS PARA CURITIBA

Prefeito/Vice: valor atual R$ 568,57 – valor se aprovado R$ 200,00
Secretários e chefes: valor atual R$ 426,93 /valor se aprovado R$ 200,00
Motoristas: valor atual: R$ 147,31 /valor se aprovado R$ 200,00

VIAGENS PARA LONDRINA e demais cidades para almoço

prefeito/vice: valor atual R$ 113,71 /valor se aprovado R$ 20,00
Secretários e chefes: valor atual R$ 85,38 /valor se aprovado R$ 20,00
Motoristas: valor atual: R$ 29,46 /valor se aprovado R$ 20,00

Prefeito nunca recebeu

diárias para viagens

O prefeito Nelson Garcia fez questão de registrar que nesses mais de 32 meses de mandato nunca retirou diárias para custear suas despesas de viagens em deslocamentos representando o município em Curitiba, Brasília ou outra cidade. Ele ressalta que não tem nada contra os colegas que utilizam o expediente para bancar suas despesas, mas resume sua decisão como atitude pessoal, entendendo que a economia que proporciona pode reverter em outros benefícios para sua comunidade.

Para ele, além da economia que o novo projeto traria, seria o demonstrativo para a comunidade do esforço que os entes públicos fariam para dar sua contribuição num momento tão difícil para o Município. No mês de setembro tivemos uma redução de R$ 200 mil na arrecadação. Se não fizermos nossa parte para reduzir gastos, vamos quebrar a prefeitura, com graves consequências para nossa comunidade.  

Deixe um Comentário