Ribeirão Claro

Vereador vai à justiça contra ataques em redes sociais

Internauta o acusa parlamentar de compra de votos na eleição passada e diz que juíza tem que ser presa


Marcelo Molini rebate as acusações e diz que vai procurar meios legais em sua defesa
CRÉDITO: ARQUIVO

Da Redação


O vereador de Ribeirão Claro, Marcelo Baggio Molini (DEM), candidato à reeleição, virou alvo de acusações em redes sociais, principalmente no Facebook por um internauta que faz graves ataques à sua honra e de uma juíza, sem citar nomes. Diante das acusações, Molini está recorrendo à Justiça Eleitoral e registrou um Boletim de Ocorrência (BO), na delegacia de polícia local.

O perfil, identificado como Erico Diniz, acusa o parlamentar de ter comprado votos na eleição. Além disso, o perfil fere a honra de uma juíza, sem citar nomes, dizendo em uma das mensagens, com muitos erros de português: “gente corrupito essa juiza e a primeira q tem q ser preza fora juíza corrupita mundisa”, (sic).

Marcelo rebate as acusações, alegando que são infundadas e que já abriu um boletim de ocorrência sobre o caso. Além disso, o parlamentar declarou que vai acionar judicialmente o proprietário do perfil. “Eu repudio toda e qualquer tipo de acusação infundada, seja contra quem for. A juíza na qual ele se refere é minha esposa, na qual abdicou de presidir as eleições justamente para não interferir no pleito e causar suspeição, visto que sou candidato à reeleição. Não admito que a honra da minha família seja alvo de acusações desse nível”, desabafa.

O parlamentar ressalta que essa é uma característica típica da oposição, onde apelam para o nível baixo, de linguajar chulo, sem medir as consequências. “É preciso coibir esse tipo de manifestação porque a internet, as redes sociais, não são terra sem lei, onde as pessoas podem ofender sem nenhum tipo de punição. É lamentável que estejamos passando por isso”, frisa.

REDES SOCIAIS – Para Molini, as redes sociais, atualmente viraram uma espécie de tribunal, no qual, condena ou absolve, aprova ou desaprova, cancela a pessoa ou não cancela. Tudo isso em questões de segundos, através de um click ou em poucas palavras, não mais que 140 caracteres, geralmente.

O vereador assinala que apesar de o Brasil ser um país democrático, onde uma das premissas é a liberdade de expressão, muitos esquecem que junto dela vem a responsabilidade. É nesse momento que o direito vem amparar as pessoas que são vítimas desse tipo de situação através da internet, observa.

Portanto, quem ofender, difamar, caluniar, injuriar, ferindo a dignidade de uma pessoa, em redes sociais, está passível de responder na esfera civil e criminal. Além disso, o Marco Civil da Internet, como é oficialmente chamado a Lei n° 12.965/2014, regula o uso da Internet no Brasil por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres para quem usa a rede, bem como da determinação de diretrizes para a atuação do Estado.

Deixe um Comentário