Japira

Vereador denuncia ao MPE venda de sucata sem licitação

Denúncia ao Ministério Público também deve gerar investigação no Legislativo

Vigilato é acusado de proceder ilegalmente a venda de sucata do município
CRÉDITO: Divulgação

Da Redação


Quando todo mundo esperava uma pacificação política na pequena Japira, cidade com menos de cinco mil habitantes, no Norte Pioneiro do Paraná, estoura uma nova denúncia, desta feita envolvendo o jovem prefeito Ângelo Marcos Vigilato (PSB), que assumiu a prefeitura após eleição suplementar, em dezembro de 2018, um mês após o pleito. Ele é acusado, juntamente com o secretário de Obras, Erivelton Borges da Silveira, de procederem ilegalmente a venda de sucata do Município sem a realização de procedimentos licitatórios e do suposto desvio do dinheiro obtido com a transação.

Parte dos equipamentos considerados sucata vendidos pela prefeitura

A suposta irregularidade foi denunciada na quinta-feira (9), desta semana, ao Ministério Público Estadual (MPE), da comarca de Ibaiti, que vai investigar o caso. Segundo o presidente da Câmara de Vereadores de Japira, Thiago Augusto Mendes Abucarub, a mesma denúncia será analisada na próxima semana pelo Legislativo, que deverá criar uma Comissão Especial de Inquérito (CEI), que, caso comprove a existência de ilegalidades, poderá instituir uma Comissão Processante (CP), com poderes de cassar o mandato de Vigilato, se concluir pelo envolvimento do prefeito.

Na denúncia o vereador Nivaldo Nicolau aponta que não foram realizados os procedimentos legais para a venda dos bens do município, considerados inservíveis. Porém, mesmo requerendo por várias vezes para que o Legislativo fosse informado da eventual transação, o prefeito teria dificultado as respostas, que na avaliação do denunciante, seria uma forma de “empurrar com a barriga”.

Parte dos equipamentos considerados sucata vendidos pela prefeitura

Nas respostas, mesmo que enviadas com atraso, o Executivo alega não tratar-se de procedimento licitatório, mas de dispensa de licitação com realização de leilão público. No entanto, tais explicações não convenceram os vereadores, que agora querem a intervenção do Ministério Público.

Entendendo ter ocorrido a prática de crime contra o patrimônio público, os vereadores, além de criação de uma comissão de investigação, levaram o caso à Delegacia de Polícia Civil de Ibaiti, sede da comarca, pedindo a abertura de inquérito policial, conforme informação do presidente da Casa, Thiago Abucarub.

Minoria

Pelo histórico da Câmara Municipal de Japira, a situação do prefeito Ângelo Vigilato é delicada, a menos que consiga comprovar junto ao MPE e vereadores, que não ocorreu irregularidade no procedimento de venda de sucata do município. O Executivo, segundo declarações do próprio prefeito, detém o apoio de apenas dois dos membros do Legislativo.

Desde a morte do ex-prefeito Walmir Wellington da Silva (DEM),em acidente automobilístico ocorrido em dezembro de 2017, Japira vive um caos político, com a troca de quatro prefeitos, culminando com a posse do atual, eleito em pleito suplementar realizada em novembro de 2018.    

Deixe um Comentário