Cidadania Eventos Santo Antônio da Platina

Um presente que pode mudar a vida de uma mãe deficiente

Sorteio da Cesta do Dia das Mães, da Rede Molini’s emociona pelo drama da contemplada

Da Redação


Claudinéia Aparecida Lopes, 44 anos, moradora no Bairro dos Leôncios, nas proximidades do Monte Real, em Santo Antônio da Platina, viu no Facebook o anúncio do sorteio de uma cesta do Dia das Mães, uma promoção em parceria com as duas lojas da Rede Molini’s de Supermercados da cidade e o jornal Tribuna do Vale. Pediu ajuda para uma amiga para participar do concurso, mas nem de longe imaginou que seria a sorteada.

No final da tarde de ontem viu um recado em seu wattsapp informando que tinha sido a contemplada. Achou tratar-se de um trote, algo cada vez mais comum nesses tempos de redes sociais. Qual não foi sua surpresa, minutos depois, ao receber uma ligação de Flávia Cristina Gonçalves, gerente da loja centro do Molini’s Supermercado, para marcar um horário na manhã deste sábado, afim de receber o prêmio.

O que seria um ato festivo de entrega de prêmio à ganhadora, revelou-se uma história emocionante. Pouco antes da entrega da cesta, a reportagem teve contato com seu drama pessoal. Claudinéia é um dos últimos casos no país da doença poliomielite, também conhecida como pólio ou paralisia infantil. Trata-se de uma moléstia oficialmente erradicada no Brasil e seu contágio pode causar paralisia de membros. A contemplada teve parte dos membros inferiores comprometidos e caminha com dificuldade.

Mas outro problema transforma o caso da poliomielite quase nada perto do que esta mulher vivencia há cerca de dois anos. Ela mora de favor numa chácara, com o marido, Claudemir e o filho Rodrigo, de 16 anos. A filha mais velha, Débora, de 20 anos, se casou e mora na cidade. Ainda morava no Estado de São Paulo, Claudinéia descobriu ser portadora de um tipo raro de leucemia (câncer do sangue) e retornou ao Paraná porque aqui teria mais condições de tratamento.

No Hospital do Câncer de Londrina (HCL), descobriu que sua doença ainda não tem cura, mas é possível conviver com a moléstia, porém com qualidade de vida limitada. Para quem está com o marido doente e incapaz de trabalhar, as dificuldades são enormes. Falta dinheiro para tudo. Ela recebe um salário mínimo por mês do Benefício de Prestação Continuada (BPC), através do INSS. O marido luta para receber outro benefício, mas esbarra na burocracia estatal.

Em meio a esses dramas pessoais, Claudinéia descobre que foi contemplada com uma cesta do Dia das Mães, uma promoção da Rede Molini’s de Supermercados. Mas o significado deste prêmio simples, ganha dimensão imensurável, pois revela ao mundo o sofrimento de uma mulher que não se entrega e possibilita a abertura de caminhos para amenizar seu sofrimento.

A maior Cesta do Dia das Mães que desejamos à Claudinéia e seu marido Claudemir, é que os governantes do Município, do Estado e da União; e, da sociedade organizada se sensibilizem com casos como o de Claudinéia Lopes e que cada um faça sua parte.

Deixe um Comentário