Jacarezinho

Tribunal condena Dr. Sérgio e escritório de advocacia a devolver R$ 426,7 mil

Assessoria do prefeito informa que não existe irregularidade e que recorreu da decisão do TCE-PR

Da Redação com Assessoria


O Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) determinou que o prefeito de Jacarezinho, Sérgio Eduardo Emygdio de Faria, o Dr.  (gestões 2013-2016 e 2017-2020), e o escritório Maurício Carneiro Advogados Associados, sediado em Curitiba, restituam, de forma solidária, R$ 426.717,73 ao tesouro desse município do Norte Pioneiro. A importância deve ser corrigida monetariamente quando do trânsito em julgado do processo, que já foi alvo de recurso.

A aplicação da sanção foi decidida pela corte ao julgar procedente Representação da Lei nº 8.666/1993 (Lei de Licitações e Contratos) interposta pelo vereador José Izaías Gomes, o Zola (PT). Na petição, ele denunciou como ilegal a contratação da empresa por parte da prefeitura por meio de processo de inexigibilidade de licitação realizado em 2014, bem como a indevida antecipação do pagamento de honorários advocatícios ao escritório.

Decisão

Em seu voto, o relator do processo, conselheiro Durval Amaral, deu razão às alegações do representante. Para ele, os dois critérios que, de acordo com a legislação, fundamentam a adoção da inexigibilidade de licitação – natureza singular dos serviços e notória especialização – não foram comprovados por quaisquer documentos apresentados pelo município ou pela contratada nos autos.

Além disso, o relator calculou o valor da restituição a partir da quantia paga pela prefeitura à empresa a título de honorários advocatícios indevidos. Segundo ele, os pagamentos, relativos a questionamentos administrativos perante sanções impostas ao município pela Receita Federal, foram feitos de forma antecipada, antes mesmo da homologação dos resultados finais das ações por parte do fisco nacional – ação que efetivamente encerra o processo e só então dá direito adquirido à compensação de créditos para o recorrente.

Como tal prática ofende o regular processo de liquidação de despesas definido na Lei nº 4.320/1964 (Lei do Orçamento Público), o conselheiro defendeu a aplicação de multa ao gestor, somada a outra sanção administrativa relativa à ausência de processo formal para justificar o uso do procedimento de inexigibilidade de licitação.

As duas penalidades, previstas no artigo 87, inciso IV, da Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005), somam R$ 8.344,80 – quantia válida para pagamento em outubro. Elas totalizam 80 vezes o valor da Unidade Padrão Fiscal do Estado do Paraná (UPF-PR). O indexador, que tem atualização mensal, vale R$ 104,31 neste mês.

Durval Amaral ainda votou pela expedição de determinação ao Município de Jacarezinho para que, dentro de 15 dias, encaminhe ao TCE-PR o andamento atualizado de seus processos administrativos em trâmite perante a RFB.

Por fim, o relator manifestou-se pelo encaminhamento da decisão à Presidência do Tribunal de Contas, para deliberar sobre a aprovação da abertura de novos procedimentos destinados a verificar a regularidade de pagamentos, feitos por outros municípios, ao escritório Maurício Carneiro Advogados Associados, conforme pleiteado pela então Coordenadoria de Fiscalização de Transferências e Contratos (Cofit) do órgão de controle externo.

Recurso

O voto do relator foi acompanhado pelos demais membros do Tribunal Pleno de forma unânime, na sessão de 18 de setembro. No dia 2 de outubro, o escritório de advocacia ingressou com Embargos de Declaração contra a decisão contida no Acórdão nº 2900/19 – Tribunal Pleno, veiculado em 25 de setembro, na edição nº 2.151 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC). O recurso será julgado pelo próprio Pleno e, enquanto tramita, ficam suspensas as sanções impostas na decisão original.

Outro lado

Jacarezinho economizou R$ 2, 6 milhões graças a advogado contestado pelo TCE

A Prefeitura de Jacarezinho economizou mais de R$ 2,6 milhões em 2014, e vem economizando cerca de R$ 700 mil anuais desde que contratou, por processo de inexigibilidade, o escritório Maurício Carneiro Advogados Associados. A economia se deu porque o Município recolhia 2% a título de RAT (Risco Ambiental do Trabalho) à Receita Federal até 2014, e uma ação impetrada pelo Escritório derrubou esse percentual para a 1%. 

A parte paga a mais pela Prefeitura totalizou R$ 2.133 milhões, e foram compensadas nos pagamentos devidos pela municipalidade. Outros R$ 500 mil, aproximadamente, foram economizados graças à derrubada de uma multa imposta ao Município pela Receita Federal. Todo mês, portanto, Jacarezinho está pagando metade do que pagava de RAT, o que perfaz uma economia anual em torno de R$ 4,5 milhões desde 2015.

Matéria divulgada nesta quinta-feira (17) pela assessoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR) informa que o Pleno do TCE-PR determinou que o prefeito de Jacarezinho, Sérgio Eduardo Emygdio de Faria (gestões 2013-2016 e 2017-2020), e o escritório Maurício Carneiro Advogados Associados, sediado em Curitiba, restituam, de forma solidária, R$ 426.717,73 ao tesouro desse município do Norte Pioneiro. A importância deve ser corrigida monetariamente quando do trânsito em julgado do processo, que já foi alvo de recurso.

O que causou estranheza entre os integrantes da administração municipal foi a divulgação de uma matéria jornalística que pode causar enormes prejuízos políticos ao prefeito antes de julgados os recursos pendentes. A dúvida é quem ressarciria esses prejuízos à imagem do administrador público que agiu em defesa dos interesses do Município.

A assessoria do Dr. Sérgio informa que todos os processos de contratação passam pela Procuradoria Jurídica, onde são dados pareceres técnicos, e depois pela Diretoria Geral de Compras e Licitações, quando toda a documentação que comprova a natureza singular dos serviços e notória especialização. 

Sobre a questão de pagamento antecipado, os serviços foram prestados, os recursos foram economizados, e quem está cuidando da defesa é o próprio escritório contratado em 2014, que ingressou com Embargos de Declaração contra a decisão contida no Acórdão nº 2900/19 – Tribunal Pleno, veiculado em 25 de setembro, na edição nº 2.151 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC). O recurso será julgado pelo próprio Pleno e, enquanto tramita, ficam suspensas as sanções impostas na decisão original.

O que é RAT (Riscos Ambientais do Trabalho)?

Representa a contribuição da empresa, prevista no inciso II do artigo 22 da Lei 8212/91, e consiste em percentual que mede o risco da atividade econômica, com base no qual é cobrada a contribuição para financiar os benefícios previdenciários decorrentes do grau de incidência de incapacidade laborativa (GIIL-RAT). A alíquota de contribuição para o RAT será de 1% se a atividade é de risco mínimo; 2% se de risco médio e de 3% se de risco grave, incidentes sobre o total da remuneração paga, devida ou creditada a qualquer título, no decorrer do mês, aos segurados empregados e trabalhadores avulsos. Havendo exposição do trabalhador a agentes nocivos que permitam a concessão de aposentadoria especial, há acréscimo das alíquotas na forma da legislação em vigor.

(Fonte: Receita Federal do Brasil)

Deixe um Comentário