Destaque Jacarezinho Japira Tomazina

Três municípios da região sob risco de epidemia

Jacarezinho, Japira e Tomazina apresentam grande infestação do mosquito e moradores devem redobrar cuidados

Lucas Aleixo – Especial pra a Tribuna do Vale


O Norte Pioneiro tem três municípios com risco de uma epidemia de dengue, de acordo com dados do governo do Paraná. São eles: Jacarezinho, Japira e Tomazina. Praticamente todos os outros municípios abrangidos pela 19ª Regional de Saúde, com sede em Jacarezinho, estão em alerta contra a doença.

O boletim da dengue desta semana coloca Jacarezinho, Japira e Tomazina em risco iminente devido ao grande índice de infestação do mosquito Aedes aegypti. O caso mais grave, porém, é de Jacarezinho, uma vez que o município já apresenta circulação viral, ou seja, casos comprovados de pacientes diagnosticados com dengue.

“Existem locais com grande circulação do mosquito, mas sem a circulação viral da dengue. Então o mosquito não representa um perigo nesse estágio. A partir do momento que existam pessoas com a doença, aí o risco de surgimento de mais casos é grande porque o mosquito pode picar a pessoa infectada e transmitir a dengue para muitas outras pessoas”, explica o promotor de saúde profissional da 19ª Regional de Saúde, Ronaldo Trevisan.

São os casos de Japira e Tomazina. Existe um grande índice de aparições do Aedes aegypti, porém sem casos de dengue. Entretanto, casos “importados” (aqueles que não contraíram a doença no município) podem levar a doença a essas cidades e existe a chance de uma rápida propagação.

Jacarezinho vive um cenário mais avançado da doença. O Estado confirma 14 casos de pacientes com dengue, já que o governo só reconhece a doença após a verificação do Lacen (Laboratório Central do Paraná). Contudo somando esses dados e os testes rápidos estima-se que sejam mais de 50 pacientes com a doença.

De acordo com o diretor da 19ª Regional de Saúde, Tony Palhares, é oferecido todo apoio às secretarias municipais de Saúde para que trabalhos de prevenção e cuidado sejam realizados. “Damos total apoio e condições às prefeituras e às secretarias de Saúde para que exista um suporte nesta questão. Temos um trabalho constante e hoje somos uma das regionais com menos cidades com risco de epidemia, além de não termos nenhuma cidade com epidemia neste ano”.

PAPEL DA POPULAÇÃO

Tanto Trevisan como Palhares colocam como fundamental o papel da população no combate à proliferação da doença, sobretudo na prevenção à criação de focos do mosquito. Em épocas de calor e chuva o zelo para que não exista água parada deve ser redobrado. Lembrando que até uma tampinha de garrafa pet pode se tornar um criadouro do mosquito, então o cuidado com a limpeza de quintais e terrenos deve ser minucioso.

ESTADO

A Secretaria de Estado da Saúde anunciou na terça-feira (2) o aumento de casos de dengue no Paraná com 2.023 casos confirmados, contra 1.522 da semana passada. O aumento é de 501 casos registrados. Dos casos confirmados, 1.926 são autóctones, adquiridos no município de origem, e 97 são “importados”.

As condições de infestação no Paraná atingem 82,45%, com ocorrências em 329 municípios. O Laboratório de Climatologia da Universidade Federal do Paraná informa que o período do outono ainda continua favorável à proliferação no mosquito.

Deixe um Comentário