Saúde

Semana Nacional da Enfermagem reforça a importância dos profissionais da área

Por Quitéria Neves

Todos os anos, entre os dias 12 e 20 de maio, ocorre a Semana da Enfermagem no Brasil. A celebração ocorre desde 1960, quando a data foi instituída por meio de decreto nº 48.202, assinado pelo presidente Juscelino Kubitschek.

A semana ajuda a ressaltar a importância da Enfermagem, que corresponde a 60% da força de trabalho em saúde. Em todo o país são mais de 2,1 milhões de profissionais, entre enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e obstetrizes.  No Paraná, este número chega a 100 mil.

→ O Conselho Regional de Enfermagem do Paraná (Coren/PR) aproveita a data para convidar a imprensa a destacar o importante papel da Enfermagem como protagonistas da saúde da população do Paraná.

A proposta inclui uma série de reportagens com histórias de profissionais da área que fazem a diferença no Estado e fora dele. Por exemplo:

– PROJETO FLUIR: A incontinência urinária (perda involuntária de urina) atinge até 69% da população e é uma das síndromes mais comuns entre o público feminino. A partir disso, as enfermeiras Gisela Assis, Franciele Freitas e Camilla Pinheiro Cristaldi criaram o Projeto Fluir. O objetivo é divulgar medidas simples que previnem e, em alguns casos, tratam a condição e podem substituir a cirurgia.

“Atendemos pacientes com incontinência urinária no SUS e percebemos que muitos passam longos anos na fila de atendimento, deixando de fazer coisas importantes da vida cotidiana. Por isso fazemos palestras em locais estratégicos como igrejas, escolas e associações, além de iniciar parcerias para capacitar os profissionais da enfermagem como multiplicadores destas técnicas”, diz a enfermeira Gisela Assis.

                – PLANEJAMENTO FAMILIAR: Joelma Amélia Muniz é enfermeira na Unidade de Saúde Cândido Portinari, na Regional CIC, em Curitiba. Desde 2016, deu um passo ousado para a profissão: voluntariou-se para participar de uma capacitação de inserção de DIU – procedimento geralmente realizado por médicos.

Com o apoio da equipe médica, Joelma treinou e hoje realiza a inserção de DIU na unidade de saúde em que atua acompanhada apenas de um auxiliar de enfermagem. A autonomia adquirida pela enfermeira agilizou a espera pelo procedimento, que não depende mais da agenda do médico. Pioneira em Curitiba, ela acredita que já realizou mais de 200 procedimentos.

“No início, até fui um pouco criticada pelos colegas por estar assumindo mais uma responsabilidade. Mas eu sentia que precisava dessa autonomia, não só pelo tempo que as mulheres tinham que esperar, mas também para enriquecer o trabalho da Estratégia Saúde da Família, principalmente na questão do planejamento familiar – sempre respeitando a opção da mulher e os critérios de indicação do método”, fala a enfermeira.

– GERONTOLOGIA: Em 2016, a equipe de enfermagem do Hospital do Idoso Zilda Arns (HIZA) se reuniu com médicos especialistas da instituição para discutir uma nova maneira de auxiliá-los. Nasceu, então, a Consulta de Enfermagem em Gerontologia. Nela, os enfermeiros e técnicos de enfermagem auxiliam idosos e seus cuidadores no entendimento do tratamento.

Pacientes diabéticos, por exemplo, aprendem a usar a insulina; os dispositivos inalatórios e os modelos de bombinhas são apresentados aos que têm problemas respiratórios; são demonstrados curativos especializados; entre outros. De acordo com o enfermeiro e gerente do ambulatório do HIZA, Mário Gilberto Jesus Nunes, o entendimento do tratamento faz com que a adesão do paciente seja maior.

“Desde o início do projeto, os médicos perceberam a melhor adesão dos pacientes ao tratamento recomendado e, consequentemente, a melhora clínica do quadro. A gente fica um tempo maior para esclarecer dúvidas, demonstrar detalhadamente, apresentar o material utilizado, porque quando ele compreende o que está fazendo, ele faz”, enfatiza Mário. Apenas em 2018, foram cerca de 2,5 mil consultas do projeto no Hospital.

Também é possível uma entrevista complementar sobre o cenário paranaense da Enfermagem com a presidente do Coren/PR, Simone Peruzzo.

“A enfermagem atua na linha de frente dos serviços de saúde; está presente em todas as etapas do atendimento ao usuário e em todas as fases da vida dele, desde o acolhimento na unidade, passando por cuidados especializados, controle de medicação e imunização… sem enfermagem não há assistência, não há cuidado e não há condições de consolidar a Saúde”, destaca.

Conteúdo adicional:

As datas de 12 e 20 de maio foram escolhidas como menção ao nascimento de Florence Nightingale e o falecimento de Anna Nery, respectivamente.

Quem foram?

  • Florence Nightingale (12 de maio de 1820 – 13 de agosto de 1910): Nascida na Itália em uma família rica de origem britânica, Florence contrariou as tradições para seguir sua vocação como enfermeira. Criadora da Enfermagem Moderna, ficou famosa por ser pioneira no tratamento de feridos na Guerra da Crimeia, entre 1853 e 1856.
  • Anna Nery (13 de dezembro de 1814 —20 de maio de 1880): Baiana, foi a primeira enfermeira do Brasil. Incorporada ao batalhão de voluntários em 1865, ajudou os feridos na Guerra do Paraguai. Em 2009, tornou-se a primeira mulher a entrar para o Livro dos Heróis e das Heroínas da Pátria, depositado no Panteão da Liberdade e da Democracia, em Brasília.

Deixe um Comentário