Paraná

Sebrae/PR e Itaipu vão capacitar empresas na região de Londrina

Programa de 12 meses vai qualificar fornecedores com foco no atendimento a demandas da empresa binacional

De: Amanda de Santa


Micro e pequenas empresas do norte do Paraná estiveram reunidas nesta sexta-feira (22) em Londrina, no Seminário de Desenvolvimento de Fornecedores, para conhecer detalhes do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (Desfor). A iniciativa, resultado de uma parceria entre o Sebrae/PR e a Itaipu, vai capacitar fornecedores de acordo com os rigorosos critérios da binacional.

O programa tem dois públicos-alvo: empresas que já são fornecedoras da Itaipu e precisam se aprimorar e negócios que pretendem se tornar potenciais fornecedores da entidade. A única exigência é estar no cadastro de fornecedores. “A Itaipu lançou, recentemente, medidas de apoio e incentivo à participação de micro e pequenas empresas nas suas licitações. Por isso, o programa foi desenvolvido exclusivamente para essas empresas”, contou o coordenador brasileiro do Comitê de Compras Sustentáveis da Itaipu, Adriano Hamerschmidt.

Segundo ele, por ser uma entidade de direito público internacional, a Itaipu deve fazer licitações para contratar produtos e serviços. No entanto, a binacional não está sujeita à legislação de licitação brasileira ou paraguaia, mas tem normas próprias. “Isso faz da Itaipu um comprador público especial. As normas da entidade precisam ser conhecidas por aquelas empresas que desejam fornecer para ela”, explicou. Anualmente, a Itaipu compra U$ 200 milhões, distribuídos entre Brasil e Paraguai. Desse total, segundo Hamerschmidt, U$ 8 milhões são destinados a certames propícios a micro e pequenas empresas.

Para capacitar os negócios a atenderem às características especiais e exigências da Itaipu, o Sebrae/PR adaptou a metodologia do Modelo de Excelência de Gestão (MEG) da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) com foco na sustentabilidade das empresas. “Para ser um fornecedor, a empresa tem que ser sustentável do ponto de vista econômico, ambiental e social”, ressaltou Hamerschmidt.

Metodologia

A Itaipu selecionará 360 empresas de todo o Paraná que passaram por 12 meses de capacitação, num total de 50 horas. Segundo a coordenadora estadual de Acesso a Mercados Institucionais do Sebrae/PR, Juliana Schvenger, com a metodologia adotada, será possível trabalhar todas as esferas das empresas. “Vamos tratar desde a questão sistêmica até a parte sustentável, ensinando a ter mais qualidade, mais competitividade, melhor gestão. Essas empresas serão preparadas não só para as exigências da Itaipu, mas para o mercado como um todo”, contou.

Segundo Juliana, muitas pequenas e microempresas acham que não há espaço para elas diante dos grandes compradores, o que é uma ideia equivocada. “Tem muita oportunidade. A Itaipu tem modelos de coleta de preços, que são para pequenas compras, de até U$ 7 mil. É próprio para pequenas e microempresas. Esse valor, muitas vezes, é o faturamento de um mês ou dois de uma pequena empresa. Então, com uma venda para a Itaipu, ela pode tirar o faturamento do mês”, argumentou.

O gerente da Regional Norte do Sebrae/PR, Fabrício Bianchi, lembrou o know-how da entidade em aproximar pequenas e microempresas do mercado de compras públicas. “Temos feito um trabalho de inserir as pequenas empresas nos processos licitatórios do poder público por meio do Compra Paraná, implantado em seis cidades aqui da regional. O Compra Londrina, por exemplo, já conta com cerca de 600 empresas cadastradas, que antes ficavam restritas ao mercado privado”, contou.

Expectativa

O empresário Jonas Bertão, de Apucarana, compareceu ao seminário com a expectativa de agregar valor ao seu produto. Fabricante de embalagens plásticas, ele já comercializa seus produtos para grandes compradores e participa de licitações públicas, mas está interessado em se capacitar para mercados ainda mais criteriosos. “O sistema de compras da Itaipu é bastante rigoroso. Se eu estiver preparado para atendê-la, certamente vou poder atender empresas de qualquer porte e até mesmo trabalhar com exportação”, ponderou.

Além da possibilidade de conquistar um espaço entre os fornecedores da Itaipu, a empresária do ramo de eventos Mity Shiroma também mira a conquista de novos mercados. “Estamos sempre buscando desenvolvimento e a satisfação dos clientes. Por isso, essa capacitação é uma grande oportunidade. Queremos estar preparados para a excelência da Itaipu porque isso vai representar uma porta para o mercado todo”, afirmou.

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: