Jacarezinho

Santa Casa pede socorro a prefeitos

Com déficit superior a R$ 4 milhões, nos últimos 30 meses, hospital pode parar já em setembro se panorama não mudar

Dr. Nílton, presidente da Santa Casa, pede apoio a prefeitos da Amunorpi
CRÉDITO: Lucas Aleixo

Lucas Aleixo, especial para a Tribuna do Vale


“Se continuar como está, a Santa Casa de Jacarezinho fecha as portas em setembro”. Enfática e alarmante, a frase é do presidente da instituição, o médico Nílton José de Souza, durante reunião da Amunorpi (Associação dos Municípios do Norte Pioneiro) nesta sexta-feira (16), no auditório do Sebrae-PR, nesta cidade, na qual a principal pauta era justamente a situação do hospital. 

O acúmulo de dívidas exorbitantes é resultado de repasses governamentais que não cobrem as despesas que a Santa Casa tem para manter a atual estrutura, que recebe pacientes de toda a região. Na reunião foram apresentados gráficos que mostram as despesas mensais do hospital e as receitas – que são bem inferiores. O resultado é um déficit de mais de R$ 4 milhões nos últimos 30 meses.

“Todo mês fechamos com R$ 250 mil, R$ 300 mil no vermelho. E isso já não é de hoje. Vai chegar um momento em que a situação se tornará insustentável, e essa hora será muito em breve se o panorama não mudar”, disse Dr. Nílton à reportagem da Tribuna do Vale.

“O problema é que nós trabalhamos com a vaga zero, pelo governo do Estado. Mas os municípios fazem convênio com hospitais de Curitiba, Apucarana, Santa Mariana e outros para atendimentos eletivos, e esses recursos que poderiam nos ajudar e muito vão para outros lugares”, prosseguiu.

Além disso, os valores repassados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) não estão atualizados e também não cobrem as despesas com esses atendimentos. Para ter uma ideia, esse repasse diminuiu de 2017 para cá. Logo, a Santa Casa não tem aumento de receita para fazer frente à crescente despesa.

Hoje o único convênio que a Santa Casa tem com prefeitura, é com a de Jacarezinho, para atendimento no Pronto Socorro, que atende casos de urgência e emergência 24 horas por dia. 

De acordo com o presidente da Santa Casa, a atuação da Amunorpi pode ser fundamental para que a entidade saia da crise. “Já conversei com governo do Estado, com entidades, até com Rotary e Maçonaria. Vocês são a última esperança da gente conseguir sair dessa situação”, conclamou aos prefeitos presentes. “Se continuarmos assim vou enviar uma carta ao governo do Estado e ao Ministério Público informando que a Santa Casa vai fechar as portas. Não estou fazendo drama, a situação é grave”, concluiu. 

Dos 22 municípios que a Santa Casa de Jacarezinho recebe pacientes, oito prefeitos estavam presentes na reunião. Entre eles houve uma manifestação inicial de apoio ao hospital, mas novas reuniões entre as partes devem definir o formato de como esta ajuda poderá – e se efetivamente irá – acontecer.

Vale lembrar que a instituição, que completou 100 anos recentemente, é o único hospital de referência em atividade no Norte Pioneiro e realiza em média cinco mil atendimentos por mês e quatro mil internamentos por ano. 

Deixe um Comentário