Política

Sancionada lei que regulariza cargos nas universidades estaduais e hospitais universitários

Para superintendente do HUM lei reconhece dedicação dos profissionais

De: Imprensa Tiago Amaral


Aprovada por unanimidade pelos deputados, a proposta que põe fim a uma discussão que se arrasta há pelo menos dez anos, tornou-se lei essa semana após a sanção do governador Ratinho Junior. A Lei 20.225 regulamenta a situação de cargos e funções dentro da estrutura administrativa das universidades, contemplando tanto o ensino como as atividades de saúde desenvolvidas nos hospitais universitários.

O deputado Tiago Amaral (PSB) foi o relator da proposta em três diferentes comissões: Constituição e Justiça (CCJ), Finanças e Tributação, e Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Para ele, a lei traz segurança jurídica para as universidades e para quem ocupa os cargos, na medida em que define por lei cargos e funções, estipula uma tabela de valores e evita negociações que eram realizadas anualmente, bem como regulamenta e padroniza a quantidade de 30 gratificações por instituição.

HUM – Além de permitir um grande avanço na regulamentação dos cargos, a diretora superintendente do Hospital Universitário de Maringá, Elisabete Kobayashi, destaca que a lei também é um reconhecimento da dedicação dos profissionais que trabalham na área administrativa do HUM.

“Com 32 anos de existência, o Hospital Universitário de Maringá tem uma importância dentro do contexto regional. Forma por ano mais de uma centena de profissionais da saúde, que irão contribuir na rede de assistência. Nestes anos de existência tinha apenas um cargo reconhecido que é o de diretor superintendente. A lei de cargos e funções ajuda a regulamentar o organograma e reconhece as ações dos profissionais em nível de administração dentro do hospital. Além disto, reconhece a dedicação destes profissionais que se engajam no dia a dia, estando dispon&ia cute;vei s nas 24 horas do dia, através da gratificação pela dedicação exclusiva. Esta é uma grande conquista aos profissionais dos HUs e irá permitir um grande avanço na regulamentação dos hospitais. Estamos todos unidos pela melhoria da saúde no estado do Paraná”, afirmou Elisabete Kobayashi, diretora superintendente do HUM.

A maioria das funções que recebe gratificação é ocupada por servidores de carreira que assumem responsabilidade técnicas ou supervisões. Embora promova redução no número de cargos comissionados, que cai de 3.251 para 2.861 em todas as sete instituições, houve mudança nos valores pagos, e a economia ficou por conta da padronização da gratificação que reduziu de 638 para 210.

Deixe um Comentário