Arapoti

Repercussão negativa faz câmara recuar no pagamento de exames dos vereadores

O empenho foi feito no dia 16 de junho no valor de R$ 3.420,00 e previa a contratação de empresa especializada em exames laboratoriais visando atender as necessidades de exame da (Covid-19) para servidores e vereadores.

Agência Criativa/Folha Paranaense

Arapoti – Após repercussão negativa, a Câmara Municipal de Arapoti liquidou sexta-feira, 23, o valor de R$ 1.710,00, referente ao pagamento de exame da (Covid-19) a nove servidores da Casa. A proposta inicial, comprovada pelo empenho no valor de R$ 3.420,00, previa o exame dos nove vereadores e dos servidores. Porém, diante da exposição negativa do caso, cada vereador que fez o exame teve que pagar o valor de R$ 190,00 do próprio bolso. Todas as informações divulgadas foram retiradas do Portal da Transparência da Câmara municipal e do diário oficial do município, publicado no dia 16 de junho. Conforme apurado junto a fontes, apenas os vereadores Jean Carlos Klichowski e Victor Arthur Gomes Brondani não fizeram o teste.

O empenho foi feito no dia 16 de junho no valor de R$ 3.420,00 e previa a contratação de empresa especializada em exames laboratoriais visando atender as necessidades de exame da (Covid-19) para servidores e vereadores. Já a liquidação foi efetuada somente nesta terça-feira, 23, um dia após a divulgação dos fatos.

Os testes foram realizados em um laboratório na cidade de Jaguariaíva que cobrou R$ 190,00 pelo teste rápido por pessoa. Desde sexta-feira, 19, estamos tentando contato com o presidente da Câmara, Marineo Ferreira, para comentar sobre a realização desses exames, mas não conseguimos uma entrevista. Terça-feira, 23, novamente o espaço para a explicação o que ainda não aconteceu.

No início, a Câmara havia determinado a realização de exames em todos os parlamentares que assim quisessem e também nos funcionários após uma servidora da Casa testar positivo e ter entrado em contato com os vereadores na sessão presencial de julgamento do mandato do ex-vereador Wesley Carneiro Ulrich (Lelo), ocorrida no dia 04 de junho.

Na ocasião a Vigilância Sanitária chegou a enviar um ofício solicitando que a Câmara não realizasse sessões presenciais, pois estaria desrespeitando as normas do decreto municipal que impedia a reunião política com aglomeração acima de cinco pessoas.

Deixe um Comentário