Paraná Tecnologia

Programa Empreendedor Rural recebe atualização e focará em ambiente digital e na participação da família

O presidente da FAEP, Ágide Meneguette, destaca que a nova proposta para o Empreendedor Rural o torna mais atrativo para o produtor rural. Crédito das fotos: Fernando Santos

De Amanda de Santa


Iniciou nesta segunda-feira (11), em Curitiba, a capacitação de instrutores responsáveis pela atualização do Programa Empreendedor Rural (PER), que incentiva o empreendedorismo no campo e oferece suporte ao desenvolvimento de projetos de negócios para as propriedades. Realizado Sistema Faep/Senar-PR, em parceria com Sebrae/PR e a Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep), o Programa já capacitou mais de 28 mil pessoas em mais de 16 anos de existência.

O presidente da FAEP, Ágide Meneguette, destaca que a nova proposta para o Empreendedor Rural o torna mais atrativo para o produtor rural. “Estamos passando por um período de transição com as novas tecnologias. Por isso, estamos buscamos essa reformulação para motivar os nossos empreendedores a buscarem essa qualificação, a fim de torná-los ainda mais produtivos. Esse é um processo de melhoria contínua e vamos buscar sempre o aperfeiçoamento”, ressalta Meneguette. 

A reformulação do conteúdo e inclusão de ferramentas digitais buscam atender às novas demandas e buscam aumentar o engajamento por parte dos produtores rurais. “De tempos em tempos novos temas passam a ser relevantes como a questão da agricultura digital, por exemplo. Então precisamos propor conteúdos atuais para a atuação do empreendedor rural. Durante essa semana todo esse contexto vai ser debatido e esses temas serão colocados para que a gestão da propriedade rural seja mais eficiente e gere resultados”, afirma Julio Agostini, diretor de operações do Sebrae/PR.

Para o ano de 2019, estão previstas turmas piloto de capacitação de empreendedores rurais a partir da nova metodologia. Após a avaliação desse período, novas propostas podem ser realizadas para ampliar o alcance do Programa a mais produtores rurais de todo o Estado.

“O foco é o bem-estar da sociedade como um todo e não uma defesa de classe. Queremos promover uma evolução da administração rural do País e inserir o segmento rural na sociedade atual e do futuro”, exalta Vania Di Addario Guimarães, professora da Universidade Federal do Paraná.

Vania integra o grupo de professores e especialistas em negócios rurais responsáveis por elaborar a nova proposta metodológica. Até o final desta semana, eles apresentarão as novas ideias para dez instrutores do PER de todas as regiões paranaenses e debaterão as mudanças necessárias para colocar o projeto em prática. Na abertura do encontro, os instrutores receberam tablets que serão utilizados também nas atividades com produtores.

A reformulação do conteúdo e inclusão de ferramentas digitais buscam atender às novas demandas e buscam aumentar o engajamento por parte dos produtores rurais.

Mudanças estruturais

O PER busca desenvolver um trabalho para que o empreendedor desenvolva uma gestão mais profissional e tenha sucesso nos negócios. O programa prevê o ensinamento de competências técnicas e desenvolvimento humano, além do foco em gestão nas diferentes áreas do agronegócio. Além disso, a partir desse ano, dois pontos em especial serão destaques.

A primeira é a utilização da tecnologia e de recursos digitais. Os participantes receberão todos os materiais digitais e receberão um tablet por meio do qual poderão acompanhar conteúdos exclusivos como vídeos, fotos e recursos multimídia. A capacitação também prevê a utilização de novas ferramentas e plataformas no campo, como forma de otimizar a produção e produzir resultados mais favoráveis.

“As transformações tecnológicas e de inovação são não apenas importantes como também necessárias. Nossos jovens estão muito bem atualizados e essa questão digital vem no momento certo, porque outras instituições também já estão utilizando. Isso será um atrativo, facilitará o aprendizado e teremos grandes benefícios com essa nova mentalidade”, afirma Paulo Roberto Golim, instrutor do PER há 16 anos na região sudoeste do Paraná.

A segunda transformação envolve a família. Reconhecendo que boa parte das propriedades rurais são familiares, o Programa focará em três pilares básicos: família, patrimônio e o negócio rural. “Nosso foco maior era tornar a propriedade rural rentável e agora reconhecemos que a propriedade tem outros objetivos além do econômico como os desejos, os sonhos das pessoas. Existem fatores subjetivos que também estão sendo explicitamente considerados”, reforça Vania.

Por conta dessa mudança de paradigma, as famílias dos empreendedores rurais serão convidadas a participar das capacitações, inclusive com a possibilidade de horários alternativos. A própria família poderá auxiliar o produtor a produzir seu plano de negócios a partir de necessidades específicas e traçar as metas para tornar sua propriedade mais produtiva. Quem também deve ser um público-alvo do programa deve ser donos de negócios que não são da área rural mas se relacionam de alguma maneira com esse segmento, como oficinas.

“Essa reformulação priorizou temas relevantes e que fazem a diferença para os negócios. É importante falar de questões administrativas como, por exemplo, fluxo de caixa e gestão da propriedade e que ainda traz muitas dúvidas aos produtores. Hoje em dia, o projeto em si não é mais tão importante, mas sim planejar as ações de acordo com as necessidades do produtor”, esclareceu a instrutora do PER há 16 anos na região de Curitiba, Fabiola Winhardt Jazar.

Ao todo, para o PER estão previstas 136 horas de capacitação, sendo 17 encontros de 8 horas cada, com possibilidades de divisão de duas reuniões de quatro horas cada em casos específicos. Além das aulas, também estão previstas uma visita técnica a uma propriedade, cujo dono participou do PER e um trabalho de consultoria.

Deixe um Comentário

%d blogueiros gostam disto: