Siqueira Campos

Prefeito relata o drama do afastamento do cargo

Em entrevista ao jornalista Claret Coutinho, da Rádio Cana Verde, Fabiano Bueno o que passou no ano de 2019 

Prefeito Fabiano Lopes Bueno, com o vice Luiz Henrique Germano

Da Redação com Assessoria


O Prefeito de Siqueira Campos, Fabiano Lopes Bueno, (PSB), o Bi, como é mais conhecido, fez um relato emocionado ao jornalista Claret Coutinho, da Rádio Cana Verde FM, na manha desta sexta-feira (27), contando o que sofreu em 2019, classificando o período em que esteve afastado da prefeitura como um ano de sustos e tristeza na política. 

Na entrevista ele disse que está provando que é inocente das acusações de irregularidades administrativas que culminaram com seu afastamento do cargo por cerca de um ano, período em que a prefeitura foi administrada por seu vice-prefeito Luiz Henrique Germano (MDB): “Estou provando a minha família e à comunidade que não era mal intencionado e não fiz nada de errado”, afirmou. 

Para Fabiano Bueno, tudo não passou de uma armação contra ele. “Do jeito e da forma como foi feito e como e como me envolveram, não penso em outra coisa a não ser uma maldade muito grande que fizeram contra mim”, assegura. 

Na entrevista, Bi disse que o vice-prefeito Germano esteve com ele o tempo todo e sabe que não tinha culpa de nada: “O Germano foi diretor administrativo, tinha uma sala para ele, ou seja, foi sempre ativo na administração”, destacou. 

O prefeito afirmou também que a política é bem diferente daquilo que imaginou quando se candidatou pela primeira vez, em 2012. Mas mesmo assim, o prefeito disse que sua gestão foi produtiva. Sobre atraso de obras como as unidades de saúde, Fabiano atribuiu a atuação de empresas que venceram a concorrência, mas não cumpriram o contrato, além da demora na liberação dos recursos governamentais. 

Quanto a atuação do vice-prefeito, que administrou a cidade por cerca de oito meses e concluiu algumas obras, Bi disse que Germano “levou sorte” porque tudo estava programado, pois foi no período que a prefeitura mais arrecada: “E eu tive o azar de ser afastado justamente em dezembro, e o que ele fez eu também faria até porque 80% das obras estavam concluídas”, salientou.

Fabiano disse também que quando foi afastado, a folha de pagamento do município era de R$ 1,836.000 e, ao reassumir o cargo, os gastos com servidores passou a mais de R$ 2 milhões. O problema, segundo o prefeito, vai ocorrer em 2020 e em 2021 quando a prefeitura, por causa deste aumento, vai estourar o Índice permitido por lei que é de 54% da arrecadação. “Eu não fiz isto antes porque estudava uma forma de fazer ajustes sem comprometer o futuro da administração”, explicou. 

Em relação a 2020, o prefeito disse que os cerca de R$ 1 milhão de reais que receberá do Pré-Sal, vai pavimentar cerca de 50 ruas e concluir a pavimentação na região da Vila Nova. Por fim, durante a entrevista, o prefeito mostrou-se muito feliz com seu filho João Vitor que com 14 anos, vai atuar nas categorias de base do Coritiba: “Esta é a minha maior felicidade. Ver meu filho feliz e realizando seu sonho. Torço muito por ele”, finalizou.

O afastamento

BI foi afastado em Dezembro de 2018 por determinação da justiça, a pedido do Ministério Publico, por supostamente interferir numa investigação sobre pagamento irregular de combustível para abastecer ônibus escolar de uma empresa terceirizada. Voltou oito meses depois. 

Em Agosto, escapou da cassação de mandato, por 5 x 4 na Câmara de Vereadores, por um caso parecido. O abastecimento de uma pá carregadeira que havia sido vendida em 2015. Os dois casos estão em no poder judiciário.

Deixe um Comentário