Joaquim Távora

Pioneiro e Rajá apontados como poluidores do Vale Pirambeira

IAP aplica R$ 125 mil em multas a empresas acusadas de despejo de efluentes em rio de forma irregular

Espuma branca e densa sobre a superfície da água indica contaminação causada pelos abatedouros
CRÉDITO: Arquivo

Dayse Miranda, especial para Tribuna do Vale


O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) autuou em R$ 100 mil a empresa Frangos Pioneiro, e em R$ 25 mil, o Frigorífico Rajá, de Joaquim Távora, ambos por dano ambiental no Vale da Pirambeira (localizado à margem da PR-092). No local está um dos mais belos estuários ecológico da região, que há anos sofre degradação ambiental pela ação nociva dessas empresas.

Segundo a assessoria de comunicação do IAP, esta é a sexta vez que o Frigorífico Rajá é autuado pelo órgão, seguido da empresa Frangos Pioneiro que foi multada pela quinta vez. As amostras coletadas em cinco pontos diferentes do corpo hídrico, em parceria com o 4º Pelotão da Polícia Ambiental de Jacarezinho foram analisadas pelo Laboratório Central do Estado. O laudo apontou que nos locais analisados há lançamento dos dois frigoríficos e tem potencial para causar forte impacto ambiental, com parâmetros elevados – vindo em desacordo com a Resolução CONAMA nº 357/2005.

Em outras palavras, as empresas estão fazendo o lançamento de efluentes líquidos tratados, fora dos parâmetros estabelecidos no licenciamento ambiental e outorga. O IAP determina que as devidas adequações sejam realizadas com o máximo de urgência, porém este prazo poderá ser prorrogado em até 90 dias. Caso as empresas ignorem ou descumpram as determinações do órgão e prossigam com as atividades irregulares, o ato poderá culminar na interdição das unidades industriais.

Em nota, o IAP explica que para atender os limites de lançamento, as empresas devem implantar, de forma urgente, melhorias no sistema de tratamento para reduzir a carga poluidora de forma muito significativa, visando minimizar os impactos causados ao corpo hídrico. O órgão destaca que ainda estão em curso as ações de Fiscalização e Licenciamento das atividades das empresas envolvidas, com processos em análise de renovação de suas Licenças.

A equipe de reportagem da Tribuna do Vale entrou em contato com as empresas por telefone e e-mail, mas até o fechamento desta edição nenhum dos frigoríficos havia se manifestado. Por telefone, um representante do Frigorífico Rajá disse que a empresa tentaria se manifestar até o final do dia – o que não ocorreu.

VALE DA PIRAMBEIRA – O Vale da Pirambeira vem ano a ano sendo duramente castigado pela emissão de poluentes no Rio Peroba que corta o trecho. Ativistas, desde 2014, lutam por melhores condições no local e denunciam o lançamento de efluentes sem tratamento adequado, vindo a prejudicar a fauna e a flora não só do Vale, mas como do Norte Pioneiro.

Atualmente o local apresenta grande concentração de poluentes, onde é possível visualizar uma densa espuma branca sobre a superfície da água, de coloração turva e cheiro fétido. Além disso, não há qualquer indício de vida aquática, caracterizando ainda mais os sinais de poluição. Todos estes cursos hídricos que passam pelo Vale deságuam na bacia hidrográfica do Rio Cinza – que se trata de uma importante manancial de abastecimento de vários municípios da região.

Deixe um Comentário