Meio Ambiente Ribeirão Claro

Persiste o drama do lixo urbano em Ribeirão Claro

Município assinou Termo de Ajustamento de Conduta com IAT, mas problema ambiental persiste

Da Redação


Moradores de Ribeirão Claro denunciaram à equipe de reportagem da Tribuna do Vale, um verdadeiro festival de fotos e vídeos da atual situação do Aterro Sanitário no município, popularmente conhecido como “lixão”.

Apesar de divulgarem em novembro de 2018 em reportagem no jornal Folha de Londrina que Ribeirão Claro já atendia à legislação da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), mas a realidade atualmente é o contrário. As imagens oriundas de denúncias, mostram um vasto aglomerado de lixo orgânico misturado a lixo reciclável, mobiliários e outros dejetos, expostos a céu aberto.

Mas o que causa de fato surpresa, é que, nenhum dos denunciantes quis divulgar seus nomes na reportagem, por medo de perseguição do prefeito Mário Augusto Pereira, conhecido como um “coronel”, que provoca medo em quem discorda de sua postura.

O que não é mais novidade para a população do município é que o gestor tem sido alvo de diversas denúncias na esfera jurídica, por perseguir pessoas que são contra sua legenda partidária ou opostas à sua forma de gestão.

Na denúncia em questão, em meio ao lixo a céu aberto, é possível observar muitas garrafas plásticas e de vidro, mobiliários, lixo orgânico e muito mais sendo misturado e enterrado, sem qualquer tipo de seleção. 

Curiosamente, há alguns dias, a candidata a vice-prefeita Eliana Cortez da Silva, da base do prefeito, gravou alguns vídeos em sua rede social dando “dicas reciclagem”. Eliana ensina os internautas a lavar as embalagens, inclusive com detergente, para que o lixo não chegue sujo na cooperativa, e cita inclusive que “acho que todo mundo deveria ir lá e acompanhar o trabalho deles pra ver como funciona. Nunca mais você vai ter coragem de jogar algo totalmente sujo”, diz.

Pois é! A própria candidata confirma a verdadeira nojeira que se encontra o lixão. Inclusive, segundo os denunciantes, ninguém tem permissão para entrar no local, monitorado por guardas e câmeras, segundo uma das denunciantes.

O chefe regional do Instituto Água e Terra (IAT), com sede em Jacarezinho, Marcos Antônio Pinto, o problema do lixo urbano nos 23 municípios de sua jurisdição é considerado grave, exceto em alguns municípios.

Segundo, Ribeirão Claro não é diferente, tanto quer o prefeito Mário Augusto Pereira assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) se comprometendo a resolver o problema. O município, segundo o chefe do IAT já assinou um convênio no valor de R$ 305 mil para a construção de um barracão de reciclagem.

Marcos Antônio Pinto informa que o caso de Ribeirão Claro está sendo analisado pelo IAT que irá informar o Ministério Público Estadual (MPPR), para que medidas sejam tomadas no sentido de solucionar o problema.   

Deixe um Comentário