Brasil Educação

Paraná é o estado que mais ‘ganhou’ analfabetos nos últimos anos

São cerca de 750 milhões de analfabetos no mundo, número menor apenas que as populações de China e Índia
Foto: Marcello Casal Jr/ABr

Rodolfo Luis Kowalski


Este domingo (8) foi o Dia Internacional da Alfabetização, data instituída pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), no século passado (em 1966), para incentivar o pleno letramento da população internacional. Para o Paraná, no entanto, a data não traz motivos para celebração, mas para preocupação, se considerados os dados mais recentes.

Na contramão do que se verifica a nível nacional, o estado viu crescer significativamente entre 2016 e 2018 a taxa de analfabetismo e o contingente de analfabetos dentro da população com idade acima de 15 anos. É o que revelam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Educação 2018 (Pnad Educação), divulgada em junho último pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Brasil, entre 2016 e 2018, viu o contingente de analfabetos cair em todo o país de 11,671 milhões para 11,253 milhões (-418.306). O Paraná, por outro lado, registrou aumento na população de analfabetos, que passou de 401.510 para 454.491 (acréscimo de 13,47%).

Isso coloca o estado como aquele que mais viu crescer o número de pessoas que não sabem ler ou escrever, seguido por Mato Grosso (+ 22.827) e Amapá (+ 9.527). Por outro lado, Ceará (-98.706) e São Paulo (-63.388) foram os estados que mais reduziram a população em situação de analfabetismo.

Já se considerada a taxa de analfabetismo, ou seja, o porcentual de analfabetos dentro da população acima de 15 anos, temos que o país reduziu em 0,4 pontos porcentuais a sua taxa de analfabetismo no período analisado, passando de 7,2% para 6,8%.

O Paraná, por sua vez, foi a única unidade da federação a registrar dois aumentos consecutivos dessa taxa, que primeiro passou de 4,5% para 4,6% e mais recentemente alcançou 5,0%.

Outras três unidades, porém, também viram a taxa de analfabetismo crescer se considerado o comparativo entre 2018 e 2016: Distrito Federal (2,6% para 3,1%), Mato Grosso (6,5% para 7,1%) e Amapá (5,0% para 6,1%).

As menores porcentuais de analfabetos foram verificados nos estados do Rio de Janeiro (2,4%) e de Santa Catarina (2,5%). Os maiores, no Piauí (16,6%) e no Maranhão (16,3%). O Paraná tem a sexta menor taxa de todo o país, apesar dos recentes aumentos. Na região Sul, contudo, é o pior resultado e em disparado (o Rio Grande do Sul tem 3,0%).

Total de pessoas nesta situação supera a população de Maringá

Para se ter uma noção do que representa o contingente de 454.491 analfabetos no Paraná, podemos comparar esse número com a população dos municípios paranaenses. Em todo o estado, apenas as cidades de Curitiba (1.917.185) e Londrina (563.943) apresentam um contingente populacional mais significativo. O número de analfabetos no estado é ainda consideravelmente superior à população do terceiro maior município paranaense, Maringá, que possui 417.010 habitantes.

A taxa de analfabetismo de 5%, por sua vez, é facilmente ilustrada na seguinte fórmula: de cada 100 pessoas com mais de 15 anos que vivem no estado, 5 não sabem ler nem escrever.

Mundo
Apesar da melhoria do acesso às escolas, nos últimos 53 anos em diversos países, ainda existem em todo planeta 750 milhões de jovens e adultos que não sabem ler nem escrever. Se todas essas pessoas morassem em um único país, a população só seria inferior a da China e da Índia.

‘Números reais’ podem ser ainda mais graves

As estatísticas do IBGE consideram as pessoas com 15 ou mais que foram declaradas como analfabetas em pesquisa periódica de amostra domiciliar. Os números ‘reais’, contudo, provavelmente são ainda mais graves, se considerada a “capacidade de compreender e utilizar a informação escrita e refletir sobre ela” – como faz o estudo Indicador de Alfabetismo Funcional, elaborado pelo Instituto Paulo Montenegro e pela Ação Educativa.

O estudo, feito no ano passado a partir de testes cognitivos em 2.002 pessoas de todo o país, verificou que 29% dos entrevistados podem ser considerados analfabetos funcionais e que não superam o nível rudimentar de proficiência. Apenas 12% da população é considera “proficiente”.

Roberto Catelli Jr., coordenador Adjunto da Ação Educativa, explica que o analfabeto funcional é considerado a pessoa “capaz de identificar palavras, números, assinar o nome e ler frase. Mas não consegue realizar tarefa se precisar ler um pouco mais que isso – um parágrafo de um texto da vida cotidiana”, como recorte de jornal, um cartaz ou até mesmo uma receita de bolo.

A proporção de analfabetos funcionais no Brasil totaliza 38 milhões de pessoas. O volume dessa população é maior que quase todos os estados brasileiros, só perde para o total de residentes no Estado de São Paulo (41,2 milhões).

Metodologia

A Pnad Contínua levanta trimestralmente, por meio de questionário básico, informações sobre as características básicas de educação para as pessoas de 5 anos ou mais de idade. A partir de 2016, começou a incluir o módulo anual de educação, que, durante o segundo trimestre de cada ano civil, amplia a investigação dessa temática para todas as pessoas da pesquisa.

Deixe um Comentário