Santo Antônio da Platina

O que pode estar por trás da série de homicídios em Santo Antônio da Platina

Polícia monta quebra-cabeça para esclarecer assassinatos e prender envolvidos em série de crimes que volta assustar moradores

Luiz Guilherme Bannwart


A Polícia Civil, com participação importante do Setor de Inteligência da Polícia Militar, trabalha initerruptamente para esclarecer a série de homicídios que teve início no segundo semestre do ano passado em Santo Antônio da Platina e se agravou nos últimos dias com dois assassinatos num intervalo de apenas uma semana, com informações de que mais pessoas estariam marcadas para morrer nos próximos dias na cidade.

No dia 15 de setembro do ano passado, numa manhã tranquila de domingo, Carlos Alberto Padilha da Silva, o Cacá, foi executado a tiros no portão de sua casa na rua Deputado Benedito Lúcio Machado, área central do município. O atirador usou uma pistola para praticar o crime e cinco tiros acertaram a vítima, que morreu no local antes da chegada das equipes de resgate. A ação foi gravada por câmeras de segurança, mas até o momento as provas técnicas não revelaram a identidade do autor do homicídio.

A morte de Cacá, segundo apurado pela reportagem, pode ter sido motivada por suposta disputa do controle do tráfico de drogas no município.

Em plena noite de Natal (25 de dezembro de 2019), Diego Henrique da Silva foi morto a tiros na Vila Ribeiro. De acordo com a PM, a mulher da vítima contou que, por volta das 4h40, um homem de estatura média, magro, vestindo roupas de cor escura e com o rosto coberto por uma ‘máscara do coringa’ chegou a casa na rua Mário Giovannetti e disparou contra o rapaz ao menos três vezes. A vítima ainda correu e pulou o muro aos fundos do imóvel, mas foi encontrado sem vida no quintal vizinho.

Neste caso também há imagens que mostra a fuga do assassino e suspeita sobre a autoria do crime, mas o caso continua sendo investigado.

A terceira vítima da série de homicídios foi Jefferson Aparecido da Silva, 31, conhecido por ‘Ferro Velho’, também executado a tiros no dia 7 de janeiro na zona rural do município. O crime chamou a atenção da polícia pela semelhança no modo de agir dos assassinos, que igualmente na morte de Diego Henrique da Silva, um dos criminosos também teria usado uma máscara para esconder o rosto. A família da vítima foi ameaçada após o assassinato.

Na morte de Jefferson, especificamente, há evidências muito fortes quanto à autoria do crime. Ação conjunta entre as polícias Civil e Militar nesta semana resultou na prisão de um casal e detenção de um adolescente, além de drogas, armas, munições e objetos suspeitos. A suspeita da polícia é que a moradora presa seria a mandante do crime e um foragido da cadeia de Santo Antônio da Platina, preso no mesmo endereço, o autor dos disparos que mataram ‘Ferro Velho’. A motivação para o assassinato, no entanto, ainda está sendo investigada pelos organismos de segurança.

Com as prisões dos suspeitos, a polícia recebeu informações de que mais mortes ocorreriam na cidade nos próximos dias, e não demorou muito para o fato se confirmar. Na tarde de quarta-feira (15), Junior Alves de Oliveira Cubas, 23 anos, foi executado com ao menos oito tiros de pistola calibre 380 na Vila Santa Terezinha. Dois homens se apresentaram como policiais, e descarregaram arma contra a vítima, que ainda tentou correr, mas caiu no meio da rua a poucos metros da residência, morrendo pouco tempo depois no Pronto Socorro. Os atiradores fugiram em um Gol de cor preta.

A polícia já recebeu informações sobre a suposta motivação para a quarta morte registrada no município em menos de cinco meses, e não descarta a possibilidade de todos os casos terem relação. O controle pelo tráfico de drogas pode estar por trás das ordens para as execuções, bem como vingança e até mesmo queima de arquivo.

Deixe um Comentário