Editoriais

O abismo entre Enem e STEM

Marcos Paim (*)


“Por que eu tenho que aprender isso?”. A questão, tão comum em salas de aulas e corredores dos colégios, é feita por muitos alunos para buscar razões para aprender disciplinas com as quais têm maior dificuldade. E, na forma como podemos respondê-la, está um dos caminhos para se resolver uma adversidade observada nas médias das notas dos participantes do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em 2018.

Dados divulgados pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) sobre a prova aplicada no ano passado revelaram um discreto crescimento nas médias das notas em todas as áreas do conhecimento, exceto uma: Ciências da Natureza. A nota média em física, química e biologia teve retração de 510,6 para 493 pontos.

Justamente em três das quatro matérias que compõem a área STEM (acrônimo em inglês usado para designar Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática – Science, Technology, Engineering, and Mathematics). Já a média das notas de Matemática subiu de 518,5 para 535,5. O aumento em cerca de 3%, porém, pode não representar uma melhora factual na absorção de conhecimento por parte dos estudantes.

A consequência direta pode ser observada em levantamento sobre a formação acadêmica brasileira na área STEM. Dentre 46 países onde a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) realiza estudos, o Brasil é apenas o antepenúltimo em geração de profissionais aptos a atuar em mercados de trabalho como animação, arquitetura, design, tecnologia, biomedicina, computação, engenharia e tantos outros: apenas 17%.

Apresentar a mecânica do mercado de trabalho na esfera do diálogo, porém, pode não ser suficiente como método de convencimento. É preciso um sistema envolvente, cujo formato atraia o aluno e mostre na prática, com auxílio dos professores, para que serve o que estão aprendendo. Para isso, é necessário oferecer soluções para o docente aprimorar os resultados de aprendizagem dos alunos. Assim, criar, no “produto final”, a percepção de como funciona a teoria quando colocada em prática.

Com um pouco de ajuda estruturada, os docentes podem trabalhar os conteúdos previstos na Base Nacional Curricular Comum, desenvolver habilidades requisitadas para os profissionais do futuro e aumentar a autoestima dos alunos simplesmente dando-lhes a oportunidade de aprenderem também na prática, experimentando, pensando e resolvendo problemas que mudarão o mundo deles e da sociedade.

As Ciências da Natureza, como o próprio nome diz, envolvem conhecimentos conectados com a natureza, com a vida, com a saúde, a tecnologia e até mesmo a exploração espacial. Para resolver problemas nestas áreas é necessário trabalhar não apenas conhecimentos teóricos, mas também habilidades que envolvam soluções de questões, trabalho em equipe e criatividade. Raramente os alunos encontram esses elementos em uma sala de aula. Se seguirmos com o mesmo modelo de aula tradicional em ciências, os resultados serão os mesmos ou ainda piores, como ocorreu neste ano.

(*) Marcos Paim, professor e diretor do programa STEM Brasil da ONG Educando.

Sobre Marcos Paim – Diretor STEM Brasil e STEM México

Marcos Paim é diretor dos programas STEM Brasil e STEM México, promovidos pela organização internacional Educando, além de Chief Technology Officer (CTO) da instituição desde 2009. Antes disso, trabalhou no Laboratório de Estudos Cognitivos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (LEC/UFRGS), onde treinou professores e gerenciou projetos educacionais para a Organização dos Estados Americanos (OEA) e para o Ministério de Educação (MEC). Paim também gerenciou projetos educacionais para o Grupo Positivo, Instituto Tecnológico do Paraná (TECPAR) e Prefeitura de Curitiba. É graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com especialização em Física.

Deixe um Comentário