Tecnologia

Municípios aprimoram capacidade técnica com apoio do Paranacidade

Agência de Notícias


O grande número de projetos aprovados, em execução ou em análise, para o apoio ao desenvolvimento urbano dos 399 municípios paranaenses mostra a boa relação entre os departamentos técnicos das prefeituras e do Serviço Social Autônomo Paranacidade, vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas.

Apenas pelo Escritório Regional de Maringá, no período após 18 de março – quando teve início o trabalho remoto – foram realizados 111 procedimentos de medições, beneficiando 66 municípios com a liberação de R$ 29,8 milhões para a continuidade de diversas ações, como aquisição de veículos e equipamentos rodoviários, obras de pavimentação, recapeamento ou construção de estruturas para segmentos do esporte, saúde, educação ou administração Municipal.

De acordo com o gerente do Paranacidade Miro Falkemback, a performance é resultado da atenção dos técnicos do Paranacidade aos processos de análise, encaminhamento e medições, mas também pela melhoria na capacidade técnica nos departamentos que cuidam dos projetos nas prefeituras.

“Fazemos um atendimento personalizado, de orientação ponto a ponto, para apresentar quais são os itens que precisam ser alterados ou corrigidos para que os projetos se enquadrem nos critérios de elegibilidade”, disse o gerente.

De acordo com ele, como a atenção é permanente, os técnicos municipais também melhoram o seu desempenho e apresentam projetos mais elaborados, com menores índices de correções. “É um ganho que se reverte em benefício para as prefeituras, que conseguem aprovar suas iniciativas em menor tempo”, explica.

Segundo Falkemback, entre os itens fundamentais para a elaboração de um bom projeto está o domínio da legislação estadual e do município. O técnico, ao criar uma solicitação de recursos para determinada obra, precisa considerar as previsões contidas no Plano Diretor Municipal (PDM) e ter o conhecimento sobre a elaboração de Projetos de Fiscalização de Obras, para identificar a capacidade de endividamento do município e o desenvolvimento do processo licitatório.

“O ideal é que os técnicos municipais dominem todo o processo. Nesse sentido, a capacitação nas prefeituras vem melhorando, mas o ritmo acelerado dos dias de hoje exige uma verdadeira mudança de cultura. O conhecimento será cada vez mais importante para quem quer oferecer à população respostas rápidas com projetos de qualidade e transformadores”, enfatiza.

Deixe um Comentário