Paraná

MPPR pede prisão de mulher que trabalhou e foi à festa com suspeita de coronavírus

Assessoria MP-PR


O Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, pediu à Justiça ontem (23) a prisão domiciliar ou a aplicação de alguma medida restritiva para uma mulher, de 33 anos, que teve o primeiro caso de Covid-19 do município. De acordo com o MP, a médica veterinária trabalhou em dois municípios, Foz e Santa Terezinha de Itaipu, mesmo sabendo que tinha a suspeita da doença. E para completar, a mulher ainda participou de uma festa com cerca de 200 pessoas durante o período da ‘quarentena’. 

Uma das clínicas veterinárias em que a paciente prestava serviços suspendeu as atividades por cinco dias. O caso foi confirmado no dia 18 de março, segundo a Sesa.

A paciente, que está sendo investigada pelo MP-PR, tinha viajado para o Reino Unido em fevereiro, começou a sentir os sintomas no início de março e retornou para Foz do Iguaçu, onde mora.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou mais seis casos de coronavírus no Paraná na segunda-feira (23). Os pacientes são de Curitiba (3), Cianorte (2) e Cascavel (1). Curitiba conta com 34 casos, segundo o boletim da Sesa. As seis mulheres têm entre 28 e 53 anos com viagens para São Paulo, Emirados Árabes e/ou contato com caso confirmado.

O Paraná tem agora 60 casos confirmados, 1.518 em investigação e 159 oficialmente descartados. O Estado aguarda a normalização do sistema do Ministério da Saúde para poder negativar aproximadamente 600 resultados emitidos pelo Laboratório Central do Estado (Lacen). A plataforma apresenta instabilidade há cerca de uma semana.

Deixe um Comentário