Santo Antônio da Platina

Moradores da Platina cobram mais segurança para evitar tragédias

Mortes e acidentes graves na PR-439 e no perímetro urbano do povoado poderiam ter sido evitados com ações simples do poder público

Moradores se mobilizam por mais segurança no trânsito no povoado da Platina
CRÉDITO: Antônio de Picolli

Luiz Guilherme Bannwart


Vereador Luciano Morais já protocolou vários requerimentos no DER, mas ainda não foi atendido
CRÉDITO: Antônio de Picolli

Os moradores do povoado da Platina, comunidade que deu origem ao município de Santo Antônio da Platina, clamam por mais atenção do poder público para evitar outras tragédias como a que resultou na morte da dona de casa Roseli dos Santos Néspoli, 49 anos, e ferimentos graves em seu namorado, Alicélio de Souza Pimentel, 42 anos, na noite do último sábado (18). 

O acidente que provocou a morte de Roseli, assim como tantos outros que terminaram em tragédia no trecho de aproximadamente oito quilômetros entre a cidade e o povoado poderia ter sido evitado, segundo o vereador Luciano de Almeida Moraes (PTB), o ‘Vermelho’, se ações simples requeridas ao Departamento de Estradas de Rodagens do Paraná (DER/PR) tivessem sido atendidas pelo órgão, responsável pela manutenção da PR-439, popularmente conhecida por estrada da Platina.

“Protocolei vários requerimentos junto ao DER cobrando providências urgentes nesta rodovia, principalmente no acesso ao povoado da Platina. As demandas são por acostamento que não existe, iluminação pública, sinalização viária e manutenção do asfalto para evitar tantos acidentes graves neste trecho, onde várias pessoas circulam todos os dias. Porém, até hoje, não fomos atendidos. Cada hora é uma justificativa diferente, inclusive atribuindo responsabilidades ao município, como, por exemplo, no caso da iluminação pública”, explica ‘Vermelho’.

Para o vereador, o Departamento Municipal de Trânsito de Santo Antônio da Platina poderia trabalhar junto ao Governo do Estado para executar as demandas necessárias, mas também poderia agir de maneira emergencial com ações simples que possam garantir mais segurança à comunidade. “Temos que nos unir para cobrar ações do governo estadual, mas não podemos continuar de braços cruzados esperando as coisas simplesmente acontecerem. A prefeitura poderia melhorar a sinalização viária e a iluminação na entrada da Platina, onde a Roseli infelizmente perdeu sua vida, e cobrar mais fiscalização por parte da Polícia Rodoviária Estadual para coibir o excesso de velocidade. São medidas relativamente simples, que podem evitar acidentes e tragédias. Foram mais de 15 mortes somente nos últimos anos”, assinala.

O povoado da Platina tem 2.200 moradores, sendo 845 eleitores. A dona de casa Maria de Lourdes da Silva, 51 anos, é um deles e irmã de Roseli dos Santos Néspoli. Ainda chocada com a morte recente da irmã a poucos metros do portão de sua casa, ela lembra outro acidente ocorrido há dois anos no povoado, que vitimou sua filha, hoje com oito anos. “Aqui ninguém respeita sinalização de trânsito e limite de velocidade. A minha filha foi atropelada na porta de casa por um motorista que fugiu sem prestar socorro. Graças a Deus ela está viva, mas a minha irmã não teve a mesma sorte”, lamenta.

Em abril de 2019, o pedreiro Jocimar Iolando, 24 anos, também foi atingido por um veículo em alta velocidade na PR-439, quando deixava o povoado em uma motocicleta. Segundo o pai da vítima, o aposentado José Iolando, o motorista que causou o acidente também fugiu sem prestar socorro ao filho. “Aqui não tem fiscalização, falta sinalização, atenção e respeito com os moradores. Moro na Platina há muitos anos e nunca ninguém se preocupou com a segurança da comunidade. Até quando isso vai se repetir?”, questiona o morador.

DER PREVÊ REMENDOS NA PR-439

Sem acostamento e falta de manutenção, trecho de 8 km da PR-439 resultou em vários acidentes fatais
CRÉDITO: Antônio de Picolli

Procurado pela reportagem, o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR) informou que a PR-439, no trecho entre Santo Antônio da Platina e o povoado da Platina, está contemplada no lote 9 do programa Conservação de Pavimentos (COP) do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR). Ele prevê serviços de remendos superficiais e profundos, reperfilagem, microrrevestimento, melhorias no sistema de drenagem e na pavimentação e sinalização. Somente neste lote serão atendidos 348,63 quilômetros de estradas, com um investimento de R$ 59,5 milhões.

A empresa contratada para atuar no lote não realizou os serviços previstos, o que levou o DER a rescindir seu contrato. Atualmente o departamento busca contratar outra empresa classificada no processo licitatório, visando retomar os serviços no lote o mais breve possível. 

O Departamento Municipal de Trânsito de Santo Antônio da Platina informou que é possível atender as demandas emergenciais apontadas pelo vereador Luciano de Almeida Moraes, apesar de tratar-se de responsabilidade do governo estadual. O diretor Bruno Chagas orientou para que seja protocolado um requerimento junto ao Departamento de Trânsito, para que os trabalhos possam ser discutidos e executados com celeridade. 

Deixe um Comentário