Santo Antônio da Platina

Mais humanidade e compaixão

Da Redação


A dona de casa, Marcia Regina de Oliveira, mora no Jardim Bela Manhã, em Santo Antônio da Platina. Ela tem 38 anos, oito filhos, o mais velho com 19 anos e o mais novo com um ano e seis meses, ainda se alimentando no peito.

Ela sofre de hemorroidas, que se caracteriza por inflamação nas veias do reto (porção final do intestino) que, em muitos casos, provoca dores horríveis, comprometendo a qualidade de vida da pessoa.

Segundo seu marido, o desempregado Reginaldo José do Nascimento, de 42 anos, ela foi levada ao Pronto Socorro (PS), quinta-feira (14), sendo atendida por um médico, mas, apesar das dores, não teria recebido medicação para aliviar o sofrimento. Ele diz que voltaram para casa, mas as dores continuaram, até que, na tarde desta sexta-feira (15) resolveram voltar ao PS, a pé!

Com dores insuportáveis, ela não aguentou continuar a caminhada e sentou-se na escada da sede do Conselho Tutelar (CT). Sensibilizados, os membros do CT ligaram para o Samu (três vezes), para a Secretaria de Saúde, mas ninguém apareceu para socorrer a mulher. Vendo que seu estado era cada vez pior, embora não seja função do Conselho, por questão de humanidade, colocaram a mulher no carro e a levaram ao Pronto Socorro, onde foi novamente atendida, desta vez, com humanidade e compaixão.

Deixe um Comentário