Quatiguá

Justiça determina exclusão de grupo de whatsapp que atacava prefeita

Crédito folha extra

Waltinho Chiusoli – JRDiario


Os administradores do grupo de WhatsApp denominado “Política de Verdade” têm 48 horas para excluir o grupo, a partir da intimação dos reclamados, sob pena de multa de R$ 5.000,00 por dia. A decisão foi expedida pelo juiz Marco Antônio Venâncio de Melo, da comarca de Joaquim Távora na segunda-feira, dia 18, deferindo o pedido de tutela provisória requerida pela prefeita de Quatiguá Adelita Parmezan de Moraes.

A prefeita ingressou com “Ação de Obrigação de Fazer com Pedido Cominatório de Liminar de Antecipação dos Efeitos da Tutela” contra Marcelo de Jesus, mais conhecido por Molino e o administrador do grupo à época das agressões após vários áudios que difamam a prefeita. Atuaram na defesa da prefeita os advogados Vinícios José Cicognini e Luiz Fernando Silva, do escritório Cicognini Oliveira e Silva, de Joaquim Távora.

O grupo foi criado no dia 22 de abril deste ano por Marcelo de Jesus, o Molino. Entre os áudios postados por Molino, há pelo menos dois afirmando que os casos de Covid-19 que causou a morte um morador da cidade de Quatiguá é “um circo armado pela prefeita” para captação de recursos, contrariando exames realizados pelo Estado e outras instituições credenciadas pela Secretaria Estadual de Saúde, atacando também o atual estado de calamidade global por causa da pandemia.

O grupo, que chegou a contar com 256 participantes (capacidade máxima), incluía membros de Quatiguá, Siqueira Campos e Joaquim Távora e tinha nitidamente a intenção de denegrir algumas personalidades e autoridades políticas da região veiculando notícias falsas (Fake News) e difamações, dentre elas tendo como alvo a prefeita de Quatiguá.

O autor de dezenas de áudios contendo ataques e Fake News, provavelmente mora em Curitiba, segundo os autos. O administrador do grupo não tomou qualquer providência para apurar, ou pelo menos excluir o autor dos ataques e poderá, solidariamente com Molino, até mesmo por ter participação significativa em algumas publicações, no “Política de Verdade”.

O autor dos áudios também cita outras notícias falsas abordando assuntos envolvendo a pandemia do novo coronavírus, sem se preocupar com as eventuais consequências aos envolvidos.

Não se sabe ainda o verdadeiro propósito de “Molino” em difamar, caluniar ou ainda injuriar dezenas de pessoas, sendo que não conhece a região e muito menos o dia-a-dia e reputação das pessoas que condena injustamente em suas declarações.

O JRDiario apurou que outras pessoas igualmente caluniadas, injuriadas e difamadas já entraram judicialmente contra os supostos acusados.

Deixe um Comentário