Santana do Itararé

Júri condena acusados de homicídio, mas um dos réus sai livre do fórum

Crime ocorreu em junho de 2017, em Santana do Itararé. Vítima foi espancada por PM e ex-guarda metropolitano

Adnan de Oliveira morreu em junho de 2017 após ser brutalmente agredido em Santana do Itararé
CRÉDITO: Arquivo pessoal

Da Redação


O Tribunal do Júri da Comarca de Wenceslau Braz condenou na sexta-feira (25), os dois acusados pela morte de Adnan de Oliveira, ocorrida em 2017, em Santana do Itararé. Apesar da sentença condenatória, um dos réus, Marcos Barbosa Dornelas, saiu livre do fórum por ter a pena fixada em quatro anos de prisão e já ter cumprido mais de dois anos recluso. O outro réu, Gilmar Camargo de Sena, foi condenado a 15 anos de prisão. 

Marcos, policial militar do Estado de São Paulo, foi condenado por lesão corporal, embora as testemunhas o apontassem como causador da briga e principal agressor da vítima. Gilmar, que é tio de Marcos e ex-guarda metropolitano de São Paulo foi condenado por homicídio qualificado. 

Apesar das condenações, o caso ainda não está encerrado. Isso porque tanto a defesa quanto a promotoria já entraram com recurso solicitando novo júri. Enquanto a defesa não concorda com a condenação de Gilmar, o Ministério Público entende como branda a pena aplicada a Marcos. 

RELEMBRE O CASO

Adnan de Oliveira foi brutalmente agredido por Marcos e Gilmar na praça central de Santana do Itararé na madrugada de 17 de junho de 2017. O motivo seria um desentendimento causado por ciúmes. 

A vítima teve traumatismo craniano e lesões faciais em virtude da grande quantidade de golpes desferidos pelos agressores. Ela foi socorrida e encaminhada à Santa Casa de Misericórdia de Jacarezinho, sendo transferida posteriormente para o Hospital do Rocio, em Campo Largo, devido à gravidade do estado de saúde.  

No dia 28 de junho, Adnan teve uma parada cardíaca e não resistiu. Os agressores foram presos pouco tempo depois e permaneceram encarcerados até o julgamento. 

Deixe um Comentário