Paraná

Indicadores apontam economia do Paraná em ascendência

Bom momento é amparado por políticas públicas de estímulo ao emprego, ao comércio, desburocratização e infraestrutura

Paraná foi um dos quatro Estados que aceleraram a geração de emprego no País em 2019, com saldo de 51.441 vagas abertas
CRÉDITO: AEN

Agência Estadual 


Entre janeiro e dezembro de 2019, o Paraná acelerou o ritmo da produção industrial, esteve entre os maiores geradores de emprego do País e manteve curvas ascendentes na agricultura e no comércio. Esse é o resumo dos principais indicadores econômicos do Estado no ano passado. Eles mostram desempenho acima da expectativa em todos os setores e recuperação que ajudou a impulsionar a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Para o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o bom momento do Paraná é amparado pela confiança dos empresários e por políticas públicas de estímulo ao emprego, ao comércio, desburocratização e infraestrutura. “Os resultados econômicos de 2020 tendem para continuidade do crescimento e possivelmente um novo salto”, destacou o governador.

Entre as iniciativas estaduais que repercutem no desempenho econômico estão o programa Descomplica, de desburocratização no processo de abertura de empresas, a conquista da autonomia dos portos do Paraná, o programa Voe Paraná, a retirada de mais de 60 mil itens do regime de substituição tributária, a modernização tecnológica da Junta Comercial, o fortalecimento de um sistema estadual de fomento e o programa Paraná Trifásico, de transformação da rede elétrica no campo.

RESULTADOS 

De acordo com o boletim econômico da Secretaria da Fazenda, a atividade econômica cresceu 2,11% no Paraná no acumulado até novembro de 2019. O índice é resultado de uma projeção do Banco Central e se manteve positivo em todos os últimos meses, acompanhando a tendência nacional.

O Produto Interno Bruto (PIB), calculado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), evoluiu nos nove primeiros meses de 2019 e deve atingir 0,7% no resultado acumulado do ano, em contraste com a queda de 0,4% observada em 2018 e em três dos últimos cinco anos já analisados – 2014, 2015 e 2016.

No 3º trimestre do ano passado o crescimento foi de 1% em relação ao mesmo período de 2018. O índice foi puxado pela evolução do setor agropecuário e da indústria. Em 2019, o saldo da balança comercial do Estado foi de superavit de US$ 3,54 bilhões.

O Paraná foi um dos quatro Estados que aceleraram a geração de emprego no País em 2019, com saldo de 51.441 vagas abertas, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Foi o melhor índice dos últimos seis anos, com crescimento de 24,28% em relação a 2018. Houve avanços nos indicadores de todos os setores, da construção civil ao comércio.

O Estado também acumulou crescimento de 5,4% na produção industrial entre janeiro e novembro. É o maior índice do País e o melhor resultado desse recorte desde 2011, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apenas oito dos quinze locais pesquisados no País registraram variação positiva entre janeiro e novembro de 2019, e o balanço nacional recuou -1,1% no período.

No comércio varejista ampliado (que engloba todos os setores), a evolução foi de 3%, de acordo com o IBGE. O índice acumulado dos onze meses é um comparativo com o mesmo período de 2018 e foi puxado pelo crescimento das vendas de materiais de construção (10,1%), veículos, motos, partes e peças (9%) e itens de uso pessoal ou doméstico (17%). A variação nacional apontou crescimento de 3,8%.

AGRO 

Em 2019, o Paraná consolidou a 3ª posição no ranking nacional das exportações agropecuárias, correspondendo a 13,02% do volume brasileiro, atrás apenas do Mato Grosso (17,22%) e São Paulo (15,63%). O agronegócio foi responsável por cerca de 77,6% das exportações do Paraná em 2019.

A produção avícola paranaense, por exemplo, superou as previsões otimistas do setor. O Estado encerrou o ano com recorde de abate de frangos, chegando a marca de 1,87 bilhão de cabeças. O número é 6,43% maior ao registrado em 2018, marcando o recorde para a produção em um ano. Os dados são do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar). O Paraná ainda se manteve como principal exportador de carne de frango do País, com 38% do volume total.

As exportações de carne suína, matriz econômica em que o Paraná também é protagonista, geraram US$ 1,59 bilhão em receita no País em 2019, e registraram crescimento de 31,9% em relação a 2018.

Deixe um Comentário