Geral Santo Antônio da Platina

Feira do Artesanato platinense completa 4 anos em novembro

Exposição acontece novamente neste sábado, dia 5, a partir das 9h, na Praça da Matriz  platinense

Fábio Galhardi – Especial para Tribuna do Vale


Santo Antônio da Platina – Será realizada na manhã deste sábado, dia 5, na Praça Frei Cristóvão Capinzal – a Praça da Matriz – na área central de Santo Antônio da Platina, a exposição da Feira do Artesanato. O evento acontece em média a cada 15 dias, aos sábados, entre 9h e 12h30 por um grupo de artesãos que não têm vínculo com o poder público, atuando de forma organizada com o intuito de propagar a arte da confecção de matéria-prima diversa em produtos atrativos para casas, comércio e uso pessoal.

A Feira do Artesanato vai completar em novembro, quatro anos de atividades. Tudo começou em 21 de novembro de 2015 através do artesão de luminárias em tubos de PVC, José Mário Gomes. Foi ele que reuniu um grupo de artesãs; muito esforçado procurou o departamento Municipal de Cultura, na época, tendo como diretor Antônio Altvater e, a partir daí, foi feito um cronograma de atividades, muitas reuniões e originou a Feira do Artesanato que, hoje, conta com 22 integrantes e é coordenada por Paula Flausino Yamashita e Cláudia Kobayashi.

Uma das expositoras é Ana Maria Silvério que começou divulgar seus trabalhos também em 2015. Ela trabalha com artigos de crochê, bordados, bonecas de feltro, pano; amigurume, sabonetes e aromatizadores; bolsas de tecidos; bolos variados, gelados gourmet, entre outros. A artesã é professora aposentada da rede pública municipal platinense e, na companhia de suas três filhas, se motivou a enveredar para o artesanato. 

Atualmente, uma das filhas, Adriana Silvério, é artesã em Cornélio Procópio. Para Ana Maria, a Feira do Artesanato tem superado as expectativas, mas lembra que se houvessem mais atrativos em torno dela, o movimento e clientes seriam maiores. “Estamos necessitando de mais atrativos paralelos à feira ali na praça, para atrair as pessoas, como por exemplo, apresentações musicais, oficinas de artesanato. Na medida do possível nossa coordenação faz uma boa divulgação”.

José Mário, o idealizador da feira, ao falar com a reportagem, disse que “o que se faz com o coração nunca é obrigação. Agradeço a Deus por ter sido um instrumento auxiliar na organização e implantação da Feira do Artesanato do nosso Município”.

Paula Yamashita disse que se a Feira do Artesanato está em evidência foi graças ao esforço do artesão José Mário. O poder público municipal hoje, pouco faz para incentivar a propagação, embora ela reconheça que este ano algumas aberturas ocorreram pela Prefeitura, através do diretor de Indústria e Comércio, Antônio Marcos de Souza, que fez convite para que as artesãs participarem da Efapi e das comemorações do aniversário dos 105 anos de Santo Antônio da Platina, como aconteceu.

A coordenadora reconhece que falta mais divulgação da feira, que também depende de recursos para investimentos neste setor, embora entenda que há o fator cultural como um processo natural para as pessoas prestigiarem a Feira do Artesanato como ocorre em grandes centros e cidades turísticas, mesmo assim, a Feira do Artesanato mantém uma página de Facebook: @feiradeartesanatosap, que é atualizada frequentemente com informações e fotos, através do jovem Vinícius Corsini.

Deixe um Comentário