Educação

Escolha foi técnica, defende reitora

FOTO: Tiago Angelo

Da Assessora com Redação


A reunião com médicos, lideranças políticas e prefeitos da Associação dos Municípios do Norte Pioneiro (Amunorpi), na tarde desta quinta-feira (5), foi importante para esclarecer pontos do projeto de criação do curso de Medicina da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP). Para a instituição, a escolha de Cornélio Procópio como sede do curso foi absolutamente técnica.

Durante o encontro, mediado pela reitora da UENP, Fátima Aparecida da Cruz Padoan, foram discutidas questões técnicas que envolvem a criação do curso de Medicina. 

Na reunião, o pró-reitor de Planejamento e Avaliação Institucional da UENP, Bruno Galindo, apresentou o Projeto Político Pedagógico do Curso. Após a fala do pró-reitor, a palavra foi aberta para todos os participantes. Durante os pronunciamentos, foram questionadas, por exemplo, questões técnicas sobre a instalação do curso em Cornélio Procópio, sobre sua forma descentralizada de aulas práticas e atendimento em mais de um município, além da proximidade com a cidade de Londrina, o que, segundo os prefeitos, traria ainda transtornos para o Norte Pioneiro que teria de manter o transporte de paciente para outras regiões para atendimento médico.  Todos os questionamentos foram respondidos pela reitora Fátima Padoan e pelo pró-reitor Bruno Galindo.

“Precisamos que a Universidade, a Amunorpi e a Amunop unam forças para construirmos esse curso que é um sonho da UENP e de toda região. Cada prefeito do Norte do Paraná, região de abrangência da nossa Universidade, demostra entusiasmo pelo curso a ser ofertado. Que possamos então somar forças para viabilização desse projeto que deverá contribuir ainda mais para o desenvolvimento do Norte do Paraná”, disse Fátima.

A reitora destacou ainda a função da universidade em promover formação de excelência e produção do conhecimento, lembrando a atuação da instituição em diversas áreas. “Diante de muitas colocações que temos ouvido sobre o curso, é preciso ter muita clareza de que a principal função da Universidade é formar e capacitar estudantes para o mercado de trabalho e não será diferente com o curso de Medicina”, acentuou.  

Durante a reunião, a Fátima Padoan ressaltou o comprometimento da gestão da reitoria com região de abrangência da UENP e destacou, dentre outras conquistas, a luta para a viabilização das condições adequadas para instalação do curso de Odontologia em Jacarezinho. “Estamos empenhados em fazer o melhor que pudermos. Nosso desejo é deixar durante nossa gestão um legado de conquistas e temos cumprido nossa função da melhor maneira possível. Trabalhamos com muita seriedade em tudo que fazemos e não foi diferente com o projeto do curso de Medicina apresentado ao Governo, mas ainda assim estamos abertos ao diálogo na perspectiva de unirmos forças pela nossa Universidade”, finalizou a reitora.

A Amunorpi deverá encaminhar para a Reitoria da UENP documento para formalizar os questionamentos feitos durante a reunião, que contou com a participação do vice-reitor da UENP, Fabiano Gonçalves Costa; do presidente da Amunorpi, o prefeito de Pinhalão, Sérgio Inácio Rodrigues; do prefeito de Jacarezinho, Sérgio Faria; do prefeito de Ribeirão Claro, Mário Augusto Pereira; do prefeito de Santo Antonio da Platina, José da Silva Coelho Neto e do  coordenador Regional de Jacarezinho, da Casa Civil, Daio Leal. 

Deixe um Comentário