Cidades

Disfunção escandalosa em Carlópolis complica Hiroshi

Administração do prefeito age com menosprezo ao Ministério Público, acusam denunciantes

Da Redação


Desde que assumiu a prefeitura Kubo estaria ignorando o compromisso assumido com o GepatriaFoto: Antônio de Picolli

“O mais escandaloso e ímprobo caso de disfunção na prefeitura de Carlópolis!” Esta é a frase com que um denunciante iniciou o texto que remeteu à Tribuna do Vale escancarando a prática do desvio de função, em que a administração municipal, para beneficiar partidários do prefeito Hiroshi Kubo, realoca servidores municipais de um setor para outro, desrespeitando um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), assinado no final na gestão do ex-prefeito Marcos Antônio David, o popular Pezão, pelo qual, o Município assume compromisso de acabar com a ilegalidade.

Desde que assumiu a prefeitura, segundo denúncias dos próprios servidores que não aceitam esta prática na administração municipal, o prefeito estaria ignorando o compromisso assumido com o Gepatria – Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa, núcleo de Santo Antônio da Platina.

O caso mais escandaloso denunciado à reportagem envolve a servidora em regime de comissão, Sandra Santos Pascon, que foi secretária particular de Hiroshi até 2016. Com a posse do prefeito, foi presenteada e nomeada diretora do Departamento de Recursos Humanos do Município, conforme Decreto Municipal nº. 007/2017-DP, sem jamais, por um dia sequer, ter pisado na sala onde funciona a repartição onde deveria atuar. No mesmo local trabalham Jaime Egivaldo Soares (concursado) e Vilma Alves da Silva (comissionada). Esta última ocupou o cargo até 04 de janeiro de 2018, quando foi nomeada para a função de diretora do Departamento de Tributação, conforme Decreto Municipal nº. 02/2018-DP.

A mesma fonte cita também que a servidora Sandra Santos Pascon atualmente ocupa o cargo de diretora do Departamento de Tributação, nomeada pelo Decreto 02/2018-DP, novamente sem jamais ter frequentado a sala do departamento, onde trabalham os servidores Djalma Gervásio da Cunha e Sirlene do Amaral, ambos concursados. O denunciante ironiza que a nomeada, Sandra, “sequer sabe o que são tributos municipais, quando são cobrados”.

Absurdo 

Em ambos os casos, Sandra Pascon ocupou os cargos de diretoria apenas para justificar a sua remuneração, pois, na prefeitura, continuou prestando os mesmos serviços de quando era secretária pessoal de Hiroshi Kubo em suas atividades como empresário na iniciativa privada. Ela atende no telefone 3566-1291, e todos os munícipes e servidores da prefeitura sabem que ela atende na antessala do prefeito, e ocupa o cargo de Diretora de Departamento de Tributação apenas para justificar o salário que recebe da prefeitura.

“Se comprovado, este é o mais escandaloso caso de disfunção na prefeitura de Carlópolis caracterizando-se como improbidade, pois, fere os princípios constitucionais da impessoalidade, da legalidade e da moralidade, podendo levar à cassação do mandato do prefeito Hiroshi”, opina um advogado consultado pela reportagem.

O denunciante assinala que o fato é do conhecimento dos funcionários e não pode ser negado pelo prefeito, especialmente pelos servidores Roberto Coelho, secretário de Administração; Jaime Egivaldo Soares, auxiliar de Recursos Humanos; Vilma Alves da Silva, atual diretora de Recursos Humanos; Margareth Nogueira, Licitação; Emílio Domingues Filho; fiscal, Djalma Gervásio da Cunha, Controle Interno Geral; e, pelo ex-assessor jurídico do gabinete do prefeito, Alcides Soares de Oliveira Neto, o Cidinho, os quais detém conhecimento completo e detalhado da situação.

A reportagem da Tribuna do vale vem mantendo comunicação com o prefeito através do aplicativo wattzapp, mas ele não retornou até o fechamento desta edição da mensagem deixada no seu celular.

Deixe um Comentário