Eventos Paraná

Conecta Sebrae tem quase 7 mil inscritos e fortalece o ecossistema de inovação paranaense

100% digital e gratuito, evento teve mais de 72 horas de conteúdo, além de premiações e possibilitou networking dentro e fora do Paraná e Brasil


Crédito: Luis Felipe Miretzki / Inove Foto 

Da Assessoria


Diversidade e democratização no acesso à inovação. Esses foram dois dos principais temas do Conecta 2020, o maior evento da nova economia do Paraná, promovido pelo Sebrae/PR, entre os dias 8 e 10 de outubro, de maneira 100% digital e gratuita. Foram 6.957 inscritos do Paraná, Brasil e até mesmo do exterior, que puderam conferir mais de 60 atrações em 72 horas de conteúdo.

As mulheres foram a maioria entre os inscritos, com 3,7 mil, atingindo assim o objetivo de ampliar a participação feminina no cenário da inovação. Elas contaram com espaços de destaque nas palestras e receberam premiações especiais no Ideathon Elas Inovam, uma jornada de inovação para empreendedoras.

O diretor-superintendente do Sebrae/PR, Vitor Roberto Tioqueta, comemora a adesão do público e fala sobre os objetivos alcançados com o evento.

“Durante esses três dias tivemos a oportunidade de compartilhar conhecimento de alta relevância trazido por palestrantes nacionais e internacionais. Para isso, tivemos que nos adaptar com um evento realizado em um formato totalmente novo e que ampliou o acesso aos conteúdos. Acredito que seguimos desenvolvendo os ecossistemas de inovação do Paraná e o Conecta é o elo de todo esse movimento”, avalia.

As palestras

Entre os temas principais do evento estiveram a discussão sobre importantes tecnologias como blockchain e big data, sobre como implantar a transformação digital no momento atual, investimentos e internacionalização de negócios, além de discussão acerca de soluções voltadas a segmentos específicos como indústria 4.0, turismo, saúde e educação. Mas entre as pautas mais recorrentes estavam a necessidade de democratizar a inovação especialmente para os pequenos negócios, além da diversificação do mercado de trabalho.

A empresária, consultora e CEO da Black Money, movimento de fortalecimento do empreendedorismo negro, Nina Silva, destacou que é necessário ampliar o acesso de mulheres e negros ao ambiente da tecnologia e da inovação.

“Precisamos realizar uma mudança cultural para ampliar o acesso de diferentes públicos a esses mercados. O mundo é heterogêneo e construir soluções com equipes diversas pode trazer um impacto social muito maior. Investimos em ações de educação, de divulgação e de incentivo para proporcionar a integração dessas pessoas ao mercado. Queremos fomentar essa cadeia colaborativa”, afirma.

Já para Felipe Matos, fundador da plataforma de empreendedorismo 10K Startups, também é preciso que o crescimento acelerado do mercado de startups garanta um desenvolvimento econômico para toda a população brasileira. Mas para isso, segundo ele, é necessário pensar na geração de emprego e renda. “Precisamos democratizar o acesso às oportunidades presentes na economia digital. Se não conseguirmos superar isso, o crescimento do ecossistema pode ser estrangulado. Empregos tradicionais começam a ser deixados de lado, então é preciso preparar as pessoas para se tornarem profissionais qualificados de tecnologia”, afirma.

As palestras ainda debateram a importância de se pensar na transformação digital como uma mentalidade e não apenas a implantação de tecnologias avançadas. Lisiane Lemos, gerente de desenvolvimento de negócios do Google, destacou que, mesmo com a potencialização dos processos digitais, o cuidado com o humano ainda deve ser o foco.

“Podemos inovar em relação ao modelo de negócios, aos produtos e serviços oferecidos e em relação à estrutura, por exemplo. Podemos utilizar os dados, mas de maneira estruturada, para atender as necessidades do cliente e desenvolver a melhor solução. A digitalização diz respeito a automatizar ou potencializar tarefas para aumentar o cuidado humano. Temos que estar atentos às pessoas cada vez mais. É uma transformação comportamental”, analisa Lisiane.

O Conecta contou ainda com apresentações de seis bandas e cantores curitibanos nos intervalos do evento: Aminoacido, Bigode Groove, Dudu e Yves, Leo Lembranci, Ruído Lab e Som da Galera. 

Crédito: Luis Felipe Miretzki / Inove Foto 

Público

A democratização e a facilidade no acesso e na escolha das palestras também foram pontos destacados pelos participantes. Anaide Holzbach, da CEO e sócia-fundadora da Maxicon Sistemas, de Toledo, apontou a importância do debate sobre o empreendedorismo feminino e da participação das mulheres. “Precisamos trazer cada vez mais mulheres para eventos como esse. Temos todas as capacidades, habilidades e competências necessárias e tenho certeza que vamos multiplicar as ações e ampliar essa participação”, exalta.

Matheus Mendes Pascoal é estudante de enfermagem de Campo Mourão e está em processo de formação de sua startup, a Easy Auditing, após uma parceria do Sebrae com a universidade. Ele afirma que tem trabalhado para potencializar o negócio e comemorou a facilidade no acesso ao Conecta para ampliar seus conhecimentos sobre o ambiente da inovação. “Tive muita facilidade para acessar os conteúdos e tudo do conforto de casa. Quis participar para ampliar meus conhecimentos e ter mais elementos para formular a nossa ideia final de empresa. Contamos com a ajuda do Sebrae e queremos trazer uma contribuição para a sociedade”, diz.

O Conecta ultrapassou fronteiras. Além de pessoas de outros estados, também houve participantes de pelo menos dez países do exterior. Entre eles, Henrique Bierwagen, engenheiro brasileiro que mora na Suécia e que pensa em ter a própria empresa no futuro. Entre os conteúdos assistidos, ele destacou o painel sobre os impactos do empreendedorismo inovador no ensino superior e em especial a fala de Ricardo Lomaski sobre o trabalho desenvolvido no Instituto de Tecnologia de Israel. Ele ressaltou a qualidade do conteúdo e a estrutura do evento.

“Foi uma estrutura completa que permitiu que mais pessoas pudessem acompanhar as palestras e interagir com outros empreendedores, inclusive de outros estados e países, como é meu caso”, reitera Bierwagen.

Awards

O Conecta premiou ainda 12 startups de todo o estado. Ao todo, 717 startups paranaenses foram indicadas, 68 foram selecionadas e uma de cada regional do Sebrae/PR (Leste, Centro, Sul, Norte, Noroeste e Oeste) foi premiada, tanto na categoria Revelação quanto na categoria Referência, em um sistema de votos públicos online feitos até o dia 2 de outubro. Também foram reconhecidos o ecossistema com mais inscritos e o ecossistema com mais mulheres, além do ganhador do Hackathon Inova Turismo, voltado à criação de soluções para o setor. Confira todos os vencedores aqui.

Deixe um Comentário