Siqueira Campos

Câmara rejeita investigar prefeito afastado pela justiça

Fabiano Lopes Bueno, o Bi, tem contra si acusação de desvio de combustível para abastecer veículo particular

Agência Criativa – David Batista


Em seção que durou quase 5 horas, a Câmara de Vereadores de Siqueira Campos rejeitou na noite de segunda feira, 25, denúncia para a criação de uma CEI (Comissão Especial de Inquérito), para apurar possíveis irregularidades cometidas pelo prefeito afastado Fabiano Lopes Bueno, “Bi”, (PSB) por Improbidade Administrativa.

O documento foi protocolado na câmara por Giovani dos Santos, elencando, entre outras coisas, investigação realizada pelo Ministério Público do Paraná (MPPR), que resultou no afastamento do político, que responde processo judicial por improbidade administrativa.

A população compareceu e com plenário lotado, a denúncia foi rejeitada por 4 votos a 3, causando surpresa, pois os legisladores não levaram em conta a grave situação jurídica do prefeito, afastado do cargo porque tentou obstruir as investigações que vinham sendo realizadas pelo MPPR.

Para que a denúncia contra o prefeito Bi fosse aceita pelo plenário seriam necessários seis dos nove votos, equivalendo a dois terços dos membros da Câmara de Vereadores. Os vereadores Mauro Leite, Paulo Leite e Márcio Junior, votaram favoráveis à aceitação da investigação, enquanto que Rodrigo Bola, Marquinhos, Cirineu e Jean Rocha votaram contra. O vereador Manezão, não compareceu alegando problemas de saúde e Vardo por problemas particulares.

Paulo leite, o Paulão, como é mais conhecido, esclareceu que votou pela aceitação de investigação da denúncia, pois seria uma grande oportunidade da Câmara ter acesso a documentos, ouvir testemunhas e o próprio acusado se defender. “Enfim, uma CEI criada para investigar o prefeito afastado, iria deixar claro toda essa situação, não só para os vereadores, mas também para a população siqueirense”, assinalou.

Paulão esclarece, ainda, que votou favorável à abertura de investigação entendendo que o Ministério Público já formulou inquérito e obteve da Justiça o afastamento do acusado.

“Isso é sinônimo mais do que suficiente, de que existem fortes indícios de irregularidades cometidas pelo prefeito afastado. Por outro lado estaríamos dando ao acusado todas as oportunidades de defesa apresentando as contraprovas”, salientou.

Indignado, o vereador desabafou dizendo que a corrupção mata indiretamente, e, em sua opinião, qualquer ato com indícios de corrupção podem e devem ser investigados pela Câmara de Vereadores, uma das atribuições do Poder Legislativo.

Deixe um Comentário