Editoriais

BOLSONARO CONTRA 000

 COLUNA CARLOS BRICKMANN


As notícias são boas: no primeiro mês do Governo Bolsonaro, as contas públicas tiveram R$ 30,2 bilhões de superávit – o segundo melhor da série histórica dos meses de janeiro; os dois principais projetos de reforma, de combate ao crime e da Previdência, já estão no Congresso para debate; e até novidades mal apresentadas, como o Hino Nacional obrigatório para os alunos de escolas públicas, tiveram boa aceitação, cortadas as ilegalidades.

Tudo bem? Não: há gente no Congresso calculando o valor de seu apoio às reformas. Se não gostarem do lanchinho, farão tudo para derrubá-las. Mas faz parte do jogo: há até quem chame isso de “fazer política”.

O maior problema para Bolsonaro é que, embora tenha dito que os filhos não mandam no Governo, eles criam problemas. Eduardo, o filho 03, foi aos EUA apoiar o muro de Trump – apoio que, com o qual ou sem o qual, o mundo seria tal e qual. Flávio, o filho 01, levou para dentro do Governo um problema, tecnicamente chamado de “Rachid”, que era de fora. E o filho 02, Carlos, solta tweets contra sabe-se o que, ou quem. Exemplo: “Ativistas LJYZ, meia dúzia de piçoulentos fedorentos, rede bobo e os mesmos bandidos que quase transformaram o Brasil numa Venezuela tentam desgastar Bolsonaro desde o primeiro dia de seu governo, mesmo que números e fatos mostrem o contrário. O Brasil é maior que esta escória!”

Com três Zeros querendo defender o pai, mas jogando contra, é difícil.

Palavras de um sábio

Octavio Frias de Oliveira, o notável empresário que transformou a Folha no maior jornal do país, sempre dizia que, depois de ganha a discussão, é hora de tirar a nota fiscal e não falar mais do assunto, para não dar chance ao comprador de se arrepender. Bolsonaro ganhou a eleição e pronto: caso encerrado. Já não é mais candidato, agora é presidente. Mas o presidente, como os Três Zeros, gosta de brigar. Agora a briga é com Daniela Mercury e Caetano Veloso, a respeito da Lei Rouanet. Briga por Twitter, claro: “Dois ‘famosos’ acusam o Governo Jair Bolsonaro de querer acabar com o Carnaval. A verdade é outra: esse tipo de ‘artista” não mais se locupletará da Lei Rouanet”.

Não importa se tem razão ou não: que é que ganha vencendo uma disputa com Caetano e Daniela? É só ignorá-los e pronto.

Matando e criando

Estamos bem de imprensa: dois noticiosos on-line informaram que a Igreja decidiu abrir os arquivos secretos do papa Pio 13. Deve ser tudo tão secreto que ninguém mais sabia que houve um papa Pio 13. O último Pio a ser papa foi Pio 12. E, enquanto os noticiosos on-line previam o futuro, um grande jornal não foi capaz de prever o passado: nesta semana, incluiu entre os falecidos um excelente repórter, Vital Battaglia, que continua vivo e com saúde. Deveriam saber disso: Battaglia foi um dos astros da empresa.

Tiro ao tucano

Prisão de Paulo “Preto” Vieira de Souza, apontado como operador do PSDB de São Paulo, oito processos (com pedido de prisão) contra Marconi Perillo, ex-governador de Goiás, e outro problema surgindo: a Rodonorte, empresa do grupo CCR, prepara delação premiada que, dizem, envolve o ex-governador Beto Richa. Há histórias de entrega de malas de dinheiro no palácio, no Tribunal de Contas e na Associação dos Concessionários.

Lava Jato, crescendo

A Lava Jato da Educação, que o presidente Jair Bolsonaro anunciou no início da semana, deve investigar inicialmente o Fundo Nacional da Educação, FNDE, que controla quase metade das despesas federais na área. O FNDE gasta algo como R$ 57 bilhões em merenda, material didático, compra de ônibus para transporte escolar, financiamento de creches, complemento de verba para escolas, etc. A Lava Jato da Educação é um trabalho conjunto dos ministros Sérgio Moro e Ricardo Vélez Rodríguez.

Lava Jato, em risco

Atenção: na quarta-feira que vem, o Supremo Tribunal Federal deve decidir se passa para a Justiça Eleitoral todos os casos em que tenha havido Caixa 2, não importa que outros delitos tenham sido denunciados. Raquel Dodge, a procuradora-geral da República, defende que os processos sejam separados: aqueles que envolvam crimes eleitorais, como o Caixa 2, iriam para a Justiça Eleitoral; outros crimes, como propina, lavagem de dinheiro, corrupção em geral, continuariam com a Justiça Federal. Caso os processos passem para a Justiça Eleitoral, que não está preparada para julgar casos que não sejam eleitorais, a tendência é que os processos se prolonguem e as penas sejam mais próximas das que punem irregularidades de campanha.

Começar de novo

Há um outro problema: a possibilidade de pedidos de revisão de penas já decididas, considerando-se que a lei retroage em benefício dos réus. Não há ainda nenhuma avaliação das tendências dos ministros do Supremo.

Deixe um Comentário