Editoriais

Bem-estar psicológico dos idosos

De: Mario Eugenio Saturno


O bem-estar psicológico e a saúde estão intimamente ligados nas idades
mais avançadas. Podem ser distinguidos três aspectos do bem-estar
psicológico: bem-estar avaliativo (ou satisfação com a vida), bem-estar
hedônico (sentimentos de felicidade, tristeza etc.) e bem-estar eudemônico
(senso de propósito e significado na vida).

Os cientistas Andrew Steptoe, Angus Deaton e Arthur A. Stone publicaram
o artigo científico “Psychological wellbeing, health and ageing” (Bem-estar
psicológico, saúde e envelhecimento), em que revisam os recentes
avanços nesse campo e apresentam novas análises sobre o padrão de
bem-estar entre as idades e a associação entre bem-estar e sobrevivência
em idades mais avançadas.

O Gallup World Poll está fazendo uma pesquisa em mais de 160 países e
que mostra uma curva em forma de U, quando avalia bem-estar e idade
nos países ricos de língua inglesa, sendo que os vales (os níveis mais
baixos de bem-estar) apresentam-se nas idades entre 45 e 54 anos. Mas
esse padrão não é universal: por exemplo, os entrevistados da antiga União
Soviética e do Leste Europeu mostram um grande declínio progressivo no
bem-estar com a idade. A América Latina também mostra queda no bem-
estar com a idade, enquanto o bem-estar na África Subsaariana mostra
pouca mudança com a idade.

A avaliação de vida em forma de U costuma ser considerada padrão e foi
recentemente descoberta em primatas não humanos (Weiss A et all,
Evidence for a midlife crisis in great apes consistent with the U-shape in
human wellbeing).

Um estudo da Gallup-Healthways Wellbeing nos EUA permitiu uma
comparação entre avaliação da vida e bem-estar hedônico (A snapshot of
the age distribution of psychological well-being in the United States), que
seguiu o formato U com o vale em meados dos anos 50, quando há queda
no bem-estar, mas é o momento em que se ganha mais.

A relação entre saúde física e bem-estar subjetivo é bidirecional, um
implica
no outro. Os idosos que sofrem de doenças como a coronariana, artrite e
pulmonar crônica apresentam níveis elevados de humor deprimido e
comprometimento do bem-estar hedônico e eudemônico.

O bem-estar também pode ter um papel protetor na manutenção da saúde.
Em uma análise ilustrativa do Estudo Longitudinal Inglês do Envelhecimento
(ELSA), os cientistas descobriram que o bem-estar eudemônico está
associado a uma maior sobrevida, 29,3% das pessoas no quartil de bem-
estar mais baixo morreram no período médio de acompanhamento de 8,5
anos, em comparação com 9,3% das pessoas no quartil de mais alto nível.
É a confirmação do dito popular: tristeza mata!

As associações eram independentes de idade, sexo, fatores demográficos
e saúde mental e física basal. Concluímos que o bem-estar do idoso é um
objetivo importante para a política econômica e de saúde.

As atuais teorias psicológicas e econômicas não respondem
adequadamente às variações no padrão de bem-estar com a idade em
diferentes partes do mundo. A aparente associação entre bem-estar e
sobrevivência é consistente com um papel protetor de alto bem-estar, mas
explicações alternativas não podem ser descartadas nesta fase.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do
Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

Deixe um Comentário