Jacarezinho

Ameaça do coronavírus faz venda de álcool em gel disparar

Farmácias da região têm dificuldade em suprir demanda de procura pelo produto, apontado como importante aliado na higienização das mãos

Farmácia em Jacarezinho tinha apenas um fresco de álcool em gel de 290g nas prateleiras CRÉDITO: LUCAS ALEIXO

Da Redação 


A ameaça cada vez mais real do coronavírus fez disparar as vendas de álcool em gel nas farmácias de toda região. Em muitos estabelecimentos já não se encontra o produto, principalmente os frascos com maior volume – os preferidos entre os consumidores. 

De acordo com Elisabeth Ruiz, atendente de uma farmácia em Jacarezinho, as vendas do álcool em gel subiram consideravelmente no decorrer da última semana, praticamente zerando o estoque. “Já faz alguns dias que vem aumentando as vendas, mas nesta semana foi demais a procura. Os potes maiores acabaram. Os médios só sobraram uma única unidade e dos menores que ainda temos uma quantidade boa para atender os clientes”, pontua.

Situação semelhante vive a farmácia do empresário e farmacêutico Ricardo Carvalho, em Wenceslau Braz. “A procura foi muito grande. Não é um produto que minha clientela consumisse em uma quantidade expressiva, tanto que logo que começou a questão do coronavírus eu já fiz um pedido grande para abastecer o estoque, e isso que tem garantido que o álcool em gel não falte, mas imagino que vendi mais nos últimos 10 dias do que nos últimos 10 meses”, avalia. 

De acordo com o represente comercial da área farmacêutica, Fábio Muniz de Lima, os pedidos por álcool em gel entre as farmácias que ele atende subiram cerca de 300%. “Atendo farmácias de todos municípios da região e subiu demais a procura. A distribuidora ainda está conseguindo suprir, mas se continuar nesse ritmo a tendência é que dentro de alguns dias realmente já comece a faltar nas prateleiras”, pontua. 

MÁSCARAS

Já as vendas das máscaras respiratórias, muito usadas nas cidades grandes, não decolaram. Embora a procura tenha aumentado no Norte Pioneiro, não chega nem perto de situações onde existe fila de espera pelo item. 

Em todos os lugares questionados pela reportagem sobre a procura, as informações apontam para um crescimento tímido nas vendas de máscaras, talvez muito em função do Paraná ainda não ter números alarmantes de pacientes diagnosticados com coronavírus. 

SINTOMAS E CUIDADOS

Os sintomas mais comuns do coronavírus são febre, cansaço e tosse seca. Algumas pessoas podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas, geralmente, são leves e começam de forma gradual.

Alguns pacientes infectados por coronavírus podem não apresentar sintomas. A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem tratamento especial. Aproximadamente 1 em cada 6 pessoas infectadas fica gravemente doente e desenvolve dificuldade para respirar.

Como se trata de uma infecção que afeta o sistema respiratório, alguns cuidados com as vias aéreas são necessários. Ainda não existem vacina ou medicamento para prevenção ou tratamento da infecção, mas testes e estudos já estão sendo realizados em busca da cura.

As precauções de contágio são importantes para evitar a propagação de doenças infecciosas de qualquer etiologia, inclusive a desse novo vírus: evitar contato próximo com pessoas doentes e que tenham infecção respiratória aguda, lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos ou usar um antisséptico para as mãos à base de álcool em gel, higienizar as mãos sempre depois que tossir ou espirrar ou ter contato com outras pessoas, evitar tocar em olhos, nariz e boca com as mãos não higienizadas, manter ambientes muito bem ventilados, limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência e evitar contato com animais selvagens ou doentes.

Deixe um Comentário