Carlópolis

Abaixo assinado pede retorno de motorista de ambulância

Portaria do prefeito Hiroshi Kubo diz que remanejamento atende recomendação do Ministério Público da comarca

Luciano de Oliveira diz que foi afastado após denunciar irregularidades à Tribuna do Vale
CRÉDITO: Divulgação

Da Redação


Uma campanha desencadeada nas redes sociais vem coletando assinaturas em um manifesto pedindo a volta do motorista, servidor de carreira da prefeitura, Luciano Rodrigues de Oliveira, retirado de sua função e devolvido à Secretaria de Educação do Município, setor pelo qual prestou concurso público. Por ser pessoa muito querida e considerado servidor modelo pelos usuários do transporte de pacientes, seu afastamento vem causando um clima de descontentamento na cidade.

Os organizadores da campanha pretendem coletar 1500 assinaturas e julgam o afastamento do motorista como uma injustiça e perseguição praticadas pelo prefeito Hiroshi Kubo (PSDB). Ele, por sua vez, se defende, alegando tão somente cumpriu uma recomendação do Ministério Público do Estado do Paraná (MPPR), assinalando que deixou de incluir na portaria a motivação para “preservar” o servidor.

Questionado novamente pela reportagem o prefeito alegou que o procedimento investigatório contra Luciano Rodrigues estaria correndo sob sigilo, recomendando que o jornal procurasse o próprio MPPR para obter as informações.

O próprio motorista informou à reportagem e nas redes sociais que o MPPR teria alegado denúncia de consumo de drogas durante as atividades de transporte de pacientes. Porém ele rebate e diz que está sendo punido sem nunca ter tido o direito de se defender. “Me acusam de algo sem me concederem o direito de defesa. Que país é este e onde está o tal de Estado de Direito”, questiona.

Após ser informado da denúncia, o motorista procurou um laboratório onde se submeteu a exames toxicológicos para detectar a presença de algum tipo de droga no sangue. Todos deram negativo. Ele prometeu levar o caso as autoridades pedindo uma investigação.

Diárias atrasadas

Curioso é que o afastamento do motorista se deu poucos dias após ele exibir em redes sociais e de ter denuncia à Tribuna do Vale que o prefeito Hiroshi Kubo vinha há dois meses atrasando o pagamento das diárias dos motoristas, que estavam viajando sem dinheiro para bancar suas despesas, gerando risco à segurança dos pacientes.

O caso repercutiu na cidade, com questionamentos de que o prefeito faz suas viagens em carro de luxo, bancado com dinheiro dos contribuintes, com diárias caras e hospedando-se em hotéis de alto nível, enquanto que os motoristas não tinham dinheiro nem para se alimentar.

Coincidência ou não, poucos dias depois o autor dessas denúncias foi afastado das funções e devolvido ao departamento de origem.

Hiroshi Kubo se defende assinalando que houve, sim, “atraso transitório no pagamento de diárias de todos os motoristas, por questões administrativas. Não houve discriminação a ninguém”, garante o prefeito.

Não é o que pensa o motorista e o grupo que comanda o abaixo assinado. “Esse não é um caso isolado. Quem resolve denunciar as injustiças é, imediatamente, amaldiçoado”, conclui um dos líderes do movimento.

Deixe um Comentário