Saúde

Exames de mamografia caíram 84% em 2020, aponta estudo

Rotina alterada pela pandemia levou mulheres a não realizarem o exame preventivo que detecta o câncer de mama em estágio inicial. Decisão pode acarretar aumento em diagnósticos tardios

Assessoria

Todos os anos a importância da realização de exames preventivos, para o cuidado da saúde da mulher, é reforçada através da campanha “Outubro Rosa”. Neste contexto, a mamografia, indicada para a identificação precoce do câncer de mama, é considerada o exame mais eficaz para o diagnóstico da doença. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), só em 2021, já foram registrados 66.280 novos casos e mais de 18 mil mortes devido ao câncer de mama no Brasil. A doença apresentou um crescimento de 29,7% no último ano, com um risco estimado em 61,61 casos a cada 100 mil mulheres. Mas o número de casos de câncer de mama no Brasil pode ser ainda maior que o registrado, já que o cenário pandêmico levou muitas mulheres a não realizarem os seus exames de rotina. Um estudo, publicado pelo Instituto Oncoguia no mês de abril, mostrou que o volume de mamografias reduziu 84% em 2020, em comparação ao ano anterior.  “O receio é que a falta da realização do exame leve ao diagnóstico tardio, quando a doença é descoberta num estágio mais avançado e com menos opções de tratamento”, observa o médico radiologista Dr. Gustavo Piacenti, que atua como responsável técnico no Centro de Imagem 2, do Hospital Jaraguá.

 Tecnologia é aliada na detecção precoce do câncer de mama  “A mamografia continua sendo o exame mais eficaz para a identificação precoce do câncer de mama. É um exame extremamente seguro. As mulheres que possuem alteração na tireóide, inclusive, podem realizar a sua mamografia sem medo. Já existe no mercado mamógrafo que emite 50% menos radiação que os aparelhos convencionais”, conta Rose Catarina Corezzolla, gerente do Centro de Imagem. A dor, que algumas mulheres sentem durante a compressão das mamas, é um fator que impede muitas delas de realizarem a mamografia. Rose afirma que algumas pacientes relatam sentir desconforto durante a execução do exame. No entanto, alerta que já existem no mercado equipamentos que permitem que a própria mulher escolha o nível de compressão que poderá ser exercido sobre esta parte do seu corpo. “A paciente recebe o controle remoto e vai regulando, aos poucos, o volume da pressão que será exercida durante o exame. Além disso, outro fator que contribuiu muito para o conforto das mulheres, é o design anatômico apresentado pelos equipamentos mais modernos”, observa Rose Catarina. Há mais de 30 anos atuando na área de diagnósticos, a profissional reforça a importância das mulheres ficarem atentas ao aparecimento de nódulos e caroços nos seios durante a realização do autoexame. Mas explica que este cuidado não dispensa a realização dos exames preventivos, que devem ser realizados conforme as faixas etárias recomendadas e orientação médica.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto:

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios