Santo Antônio da Platina registra mais dois óbitos e ultrapassa marca de 500 casos ativos

SEM CONTROLE
Profissionais revelam colapso no sistema de saúde; moradores denunciam falta de atendimento e medicamentos

Número de óbitos por Covid-19 dispara em Santo Antônio da Platina – Foto: Tá no Site

Tá no Site


O Sistema de Saúde de Santo Antônio da Platina entrou em colapso. A informação parte de profissionais que atuam na linha de frente do combate à pandemia de Covid-19 e pedem ‘socorro’ para evitar um cenário ainda mais trágico na cidade. Somente nas últimas 24 horas duas pessoas morreram por complicações da doença no município, que ultrapassou nesta quarta-feira (24) a marca de 500 casos ativos de coronavírus.

Nesta quarta-feira (24), o boletim epidemiológico informa 516 casos ativos e 461 em investigação. O município acumula 51 mortes por complicações da doença e 2.221 infectados desde o início da pandemia; 1.645 se recuperaram.

Depoimentos de médicos e enfermeiros (que pediram para não serem identificados) revelam o caos enfrentado pelos profissionais. “Pior do que ver leitos de UTI e de enfermaria lotados é a morosidade para se tomar decisões importantes que poderiam amenizar o sofrimento de pacientes e familiares. Não há uma estrutura operante setorizada para que o sistema possa funcionar de forma organizada, mesmo em colapso”, desabafa uma médica.

A mesma profissional denuncia que a população “sofre com essa desorganização em todos os aspectos: na realização de exames, no atendimento médico, no acesso a medicamentos, nada funciona da maneira como deveria ocorrer. Os profissionais de saúde estão esgotados, trabalhando no limite, e não já sabem a quem recorrer porque nada evolui”.

Nas redes sociais circulam denúncias de moradores com sintomas da doença que alegam dificuldade para receber atendimento e medicamentos básicos para síndromes gripais. “Hoje fui ao pronto-socorro e não recebi atendimento, mesmo com todos os sintomas do coronavírus. Parece que não tem médicos, enfermeiros, e os atendentes nos tratam mal. A gente vai em busca de ajuda e acaba saindo pior. Acabei de ver uma pessoa com falta de ar, que morreu ao chegar no pronto-socorro”, denuncia um morador. Outro diz: “Precisei de remédios, mas me disseram que estava em falta”.

As denúncias também revelam falta de insumos para o exame PCR, que detecta a infecção por Covid-19. Alguns moradores alegam que tiveram que remarcar o teste enquanto aguardavam na fila. Outra reclamação diz respeito ao agendamento para a realização dos testes, que pode levar dias.

A falta de acompanhamento de um profissional a pacientes diagnosticados com o vírus é outra reclamação recorrente. Muitos moradores denunciam que não houve contato por parte da Secretaria da Saúde para orientá-los e acompanhá-los durante o período de isolamento domiciliar. Há caso em que o paciente foi informado do resultado positivo 15 dias após a coleta para exame.

Orientações equivocadas, partindo de profissionais da Unidade Sentinela, podem ter contribuído para a disseminação da doença no município. Até poucos dias atrás a determinação a familiares de pacientes suspeitos era para que continuassem com a rotina, e só cumprissem o isolamento domiciliar caso o resultado do exame suspeito fosse positivo. Muitas pessoas que cumpriram as determinações, cujos parentes se infectaram, também testaram positivo dias depois. O problema já havia sido informado à Secretaria Municipal de Saúde, que reconheceu o erro e orientou os profissionais quanto às informações corretas aos pacientes.

Os moradores também denunciam a falta de fiscalização por parte dos órgãos competentes a empresas que estariam operando normalmente, mesmo com vários casos de colaboradores infectados.

Outro lado

A reportagem procurou a secretária municipal de Saúde, Gislaine Galvão, para comentar as denúncias e novas medidas de enfrentamento à pandemia, conforme havia adiantado na segunda-feira (22), mas até a publicação da matéria não houve retorno.

Em entrevista à Difusora FM na manhã desta quarta-feira (24), o prefeito José da Silva Coelho Neto, o Professor Zezão, disse que a prefeitura tem trabalhado muito no enfrentamento da pandemia. Ele citou a abertura de uma nova Unidade Sentinela na Vila Ribeiro para desafogar a demanda na avenida Palma Rennó, a contratação de mais profissionais de saúde, a compra de dois respiradores para o Hospital Nossa Senhora da Saúde, a aquisição de mais 12 leitos de UTI (sendo cinco para o Hospital Regional, cinco para o Hospital Nossa Senhora da Saúde e dois para o Pronto-Socorro), entre outras ações que serão intensificadas no município para frear a disseminação da doença.

O prefeito se solidarizou com as famílias das 51 vítimas da Covid-19 no município, se colocou à disposição dos empresários e comerciantes para debater soluções à economia durante a pandemia e criticou os ataques pessoais que tem recebido nas redes sociais.