Prefeito cria cargo de quase R$ 8 mil em plena pandemia e gera polêmica

Taidinho diz que está instituindo cargo de confiança de assessor jurídico por recomendação do Ministério Público, mas não pretende nomear neste momento

Da Redação

Taidinho informa que criação de cargo é recomendação do Ministério Público

Um projeto de lei da prefeitura de Wenceslau Braz que prevê a criação de um cargo comissionado com remuneração de R$ 7,8 mil mensais tem gerado enorme polêmica no município e sido alvo de críticas até mesmo de aliados do prefeito local, Atahyde Ferreira dos Santos Júnior, o Taidinho (PSD).

O novo cargo comissionado é de assessor jurídico da Secretaria Municipal de Assistência Social. A justificativa para a criação de mais uma cadeira com altos salários seria a necessidade de ter um funcionário com conhecimento na área jurídica para atender as demandas da pasta, que efetivamente trabalha com questões legais diversas.

O questionamento, entretanto, diz respeito à ocasião da criação do novo cargo, uma vez que o município vive o caos com relação a pandemia de Covid-19, com dezenas de mortes recentes, aumentos seguido dos casos ativos e até falta de oxigênio no hospital local para pacientes que tenham necessidade.

A situação foi denunciada à Tribuna do Vale por um morador de Wenceslau Braz que se mostrou indignado com a situação. Sob a condição do anonimato, o cidadão critica a postura da gestão municipal.

“Enquanto está a cidade inteira no prejuízo sem poder trabalhar, comerciantes tendo que se desfazer de bens para pagar a folha salarial e fornecedores por conta dos fechamentos do comércio que dizem não ser essencial, o prefeito quer criar um cargo com este valor.
Olha quantas pessoas estão passando necessidade. Olha quantos comerciantes estão indo à falência. Não dá para acreditar que no meio deste inferno que estamos vivendo, alguém queira criar cargo, que com certeza vai ser ocupado por aliado político”, acusa.

Nas redes sociais o assunto ganhou enorme repercussão e sofreu inúmeras e duras críticas. Mesmo aliados de Taidinho têm se posicionado publicamente contra a criação do novo cargo comissionado.

O projeto de lei foi enviado á câmara, que aprovará ou não a criação do cargo durante as próximas sessões.

Outro lado
A Tribuna do Vale manteve contato com o prefeito Taidinho através do celular pouco mais das 18 horas desta quarta-feira (24). Ele informou que estava numa reunião em Curitiba, mas retornou logo em seguida assinalando que a criação do cargo atende uma recomendação do Ministério Público Estadual (MPE), tendo em vista que o Município ficou sem dois assessores jurídicos que deixaram os cargos para assumirem funções concursadas em outras cidades.

Além do mais, justificou, a criação deste cargo visa atender famílias carentes que buscam orientações jurídicas no setor social da Prefeitura. O prefeito fez questão de ressalvar que não pretende fazer nomeação agora, mas em momento mais oportuno, após a superação do drama atual vivido em função da pandemia de coronavírus.