Cooperativas da agricultura familiar pedem a retomada urgente das compras do governo para a merenda escolar

Da Assessoria

Foto: Divulgação

Curitiba, PR (09/03/2021) – Independentemente da retomada das aulas presenciais, as cooperativas e associações da agricultura familiar que vendem produtos para a merenda escolar no Paraná estão perdendo os alimentos na roça porque o governo do estado não retomou em 2021 as compras pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). “O governo chegou a lançar edital, licitar e selecionar os fornecedores, mas não assinou ainda os contratos para formalizar a aquisição dos alimentos”, informa a deputada estadual Luciana Rafagnin (PT-PR), líder do Bloco Parlamentar de Apoio à Agricultura Familiar na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP).

Dálie Felberg/Alep.

“Somente cerca de um mês após a assinatura desses contratos é que as compras serão retomadas de fato, mediante divulgação de cronograma e calendário de entrega. Sem isso, as cooperativas não conseguem se organizar para a venda e perdem produtos. O que, nesse momento, gera insegurança alimentar nas duas pontas: tira o sustento de quem produz para vender e a comida da mesa das famílias que não vão receber os alimentos, enquanto o governo não se organiza para comprar”, completa.

Na próxima segunda-feira (15), o Bloco Parlamentar, liderado pela deputada, vai reunir representantes dessas famílias de fornecedores, de modo remoto, para conversar sobre o problema e levantar a situação das diversas cooperativas e associações. Para essa reunião, a deputada  enviou convite também aos representantes diretos do governo do estado nessa questão, através da Secretaria de Estado da Agricultura (Seab) e do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional – Fundepar. Na sessão remota da Alep desta terça-feira (9), a deputada Luciana protocolou também um requerimento ao governador Ratinho Júnior e ao secretário da Educação, Renato Féder, pedindo a retomada imediata das compras do programa da alimentação escolar.

Com o anúncio do governo do provável retorno das aulas no estado em sistema híbrido, a deputada reforça os questionamentos com relação à compra da merenda. “Solicitamos que o estado agilize os contratos e a compra de alimentos das cooperativas da agricultura familiar e, ainda, que nos forneça o cronograma das entregas do PNAE, bem como especifique de que forma se dará a entrega dos alimentos às famílias dos estudantes que, neste momento, participarão do ensino remoto”, disse.