Saiba se vale a pena contratar financiamento imobiliário corrigido pela poupança

Taxa de juros nesta modalidade é definida a partir do rendimento da poupança. Confira se opção é vantajosa.

Capitalist


Caixa Econômica Federal lança neste mês mais uma modalidade de financiamento imobiliário. A nova opção é corrigida pelo rendimento da poupança, e é a quarta linha de crédito habitacional oferecida pelo banco, que já disponibiliza financiamentos com correção pela Taxa Referencial (TR), IPCA ou por taxa fixa.

Com a correção pela poupança, a taxa de juros começa em 4,75% ao ano. Conforme dados do Banco Central, a alíquota é bem menor que outras opções disponíveis no mercado, uma vez que a taxa média cobrada em financiamentos imobiliários é de 7%.

Mesmo assim, pode surgir uma dúvida: será que essa linha de crédito realmente vale a pena? Para especialistas, sim, mas apenas caso o interessado pretenda quitar ou amortizar o financiamento a curto prazo.

Isso porque, na Caixa, será cobrada uma taxa que pode variar entre 3,35% e 3,99%, mais o rendimento da poupança, que é de 70% da taxa Selic. Com a taxa de juros básica fixada atualmente em sua mínima histórica de 2% ao ano, a correção será de 1,40%, totalizando uma taxa efetiva de 4,75% e 5,39%.

Contudo, o Banco Central deve aumentar a taxa Selic nos próximos meses, e consequentemente, também aumentam o rendimento da poupança e a taxa do financiamento. A estimativa é que a taxa básica seja elevada para 4% até o final do ano. Desta forma, a taxa do crédito corrigido pela poupança subiria de 6,15% a 6,80% ao ano, valor próximo ao cobrado em linhas tradicionais de financiamento imobiliário, que representam menos risco ao investidor.

“O cliente precisa conhecer o risco de a taxa de juros subir e carregar junto o custo do financiamento, e estar disposto a correr esse risco […] No curto prazo, a condição é melhor, mas pode mudar no médio e longo prazo”, explica Bruno Gama, CEO da fintech Credihome.

Considerando que os financiamentos imobiliários tem um prazo médio de 29 anos, não é possível prever se as taxas de juros continuarão estáveis por tanto tempo. Assim, as melhores opções para financiamentos a longo prazo são as opções com taxa corrigida pela TR.

Se comparada ao crédito habitacional atrelado ao IPCA, por outro lado, o financiamento corrigido pela poupança pode ser uma alternativa mais vantajosa a longo prazo. Isso porque, em algum momento, a inflação pode disparar, e consequentemente elevar as taxas do crédito. Neste caso, o financiamento pela poupança é menos arriscado por ter um teto para os juros de 10,16% ao ano.