MP recomenda que Quatiguá feche serviços não-essenciais

Recomendação administrativa foi realizada pela promotora de justiça Tania Pinho de Araújo Abreu

Da Redação

Município segue sem mudanças no decreto municipal que vai em desacordo com o decreto do governo do Paraná
Crédito – Antônio de Picolli

Após a prefeita de Quatiguá, Adelita Parmezan de Moraes publicar o Decreto 19/2021, autorizando a abertura geral do comércio, mesmo após o novo decreto do estado proibir funcionamento dos estabelecimentos e atividades não-essenciais, a promotoria de justiça da Comarca de Joaquim Távora, recomendou adoção de novas medidas no prazo de 24 horas.

A promotora Tania Pinho de Araújo Abreu fez uma recomendação administrativa para providências necessárias para o cumprimento de novas medidas determinadas pelo governo estadual.

O documento recomenda que intensifique a fiscalização e o fechamento das atividades que não sejam essenciais dando ciência aos órgãos fiscalizadores para que se esforcem para o cumprimento do decreto 6.983/2021 do governo do Paraná. O prazo da recomendação é de 24 horas contado do recebimento dada urgência a situação.

A promotora considera o aumento significativo de taxa de reprodução do vírus e a superlotação dos leitos das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) exclusivos para Covid-19. Além disso destaca a falta de insumos e equipamentos no momento, causados pela doença.

Até o final da tarde desta segunda-feira (1º), o decreto da prefeita mantendo o funcionamento geral do comércio continuava mantido no Portal da Transparência do Município.   

A prefeita Adelita foi procurada pela equipe de reportagem da Tribuna do Vale para se pronunciar sobre o seu posicionamento diante da pressão do Ministério Público, mas até o fechamento desta edição ela não havia retornado as mensagens nem as ligações.