Cornélio Procópio confirma mais duas mortes por Covid-19 e total de óbitos já chega a 50

Mortes foram registradas em menos de 24 horas. Número de internados
é o maior desde o início da pandemia e já não existem mais leitos
disponíveis

Ataíde Cuqui


Depois de permanecer praticamente uma semana sem registro de óbitos pela
Covid-19, Cornélio Procópio, segundo o boletim epidemiológico (BE) da
Secretaria Municipal de Saúde (SMS), quebra essa aparente tranquilidade ao
informar sobre dois novos registros de mortes no município nas últimas 24
horas, vítimas da doença, além de outro óbito suspeito que aguarda resultado.
O boletim da SMS, divulgado no começo da tarde deste domingo, traz outro
dado preocupante: a falta de leitos para atendimento dos pacientes com a
doença. O número de pessoas internadas no município, que no sábado era de
27, subiu para 29. Desse total, 11 estão recebendo tratamento em unidades de
terapia intensiva (UTIs) e o restante em enfermaria.
Também, nas últimas 24 horas, 66 novos casos foram registrados com a
doença, subindo de 2.729, para 2. 795. Há informação de que pacientes estão
sendo atendidos em macas no corredor da ala especial para doentes com a
Covid-19 no hospital enquanto aguardam por vagas. “O centro cirúrgico virou
verdadeira enfermaria”, teria revelado uma pessoa que trabalha no hospital.
O aumento no já elevado número de óbitos e o crescente registro de novos
casos com a doença, suscitou comentários mais enérgicos da vice-prefeita e
atual secretária municipal de saúde, Angélica Olchaneski. Indignada, a
secretária, que já ocupou também o cargo de vice-presidente da Defesa Civil
no município, demonstrou sua revolta em um de seus perfis na rede social.
“E ainda estão achando que é brincadeira”, escreveu, ao mencionar os
números atualizados da doença no município. E questionou: “Até quando
vamos continuar olhando para o próprio umbigo? O sistema está no limite e
não temos mais como suportar tantos casos. Por favor, nos ajude”, apelou a
secretária, que reassumiu o cargo recentemente.
Foto: Desde o início da pandemia, Angélica tem trabalhado na linha
de frente no combate à doença.