Reunião debate segurança durante manifesto por pavimentação de rodovia

Lideranças de Ibaiti e Ribeirão do Pinhal farão manifestação dia 27 pedindo asfaltamento da PR-436, entre os dois municípios

Da Assessoria


Representantes da população dos municípios de Ibaiti e Ribeirão do Pinhal que participarão do manifesto que acontecerá no próximo dia 27, pedindo a pavimentação da PR 436 reuniram-se na tarde desta quarta-feira (24), com representantes da segurança pública do Paraná para debater as medidas de segurança durante o evento.

Participaram do encontro o 1° tenente Polícia Militar Rodoviária do Paraná (PRE), Renato Augusto Dias; o 1ª sargento Juarez Euzébio, subcomandante do Posto Rodoviário de Ibaiti; e, o Inspetor da Policia Rodoviária Federal de Santo Antônio da Platina, Elvis Liege de Almeida Farias.

Os representantes da comunidade regional que lideram o movimento presentes foram: Eiezio Araújo Filho, Cledison Terra, Silas Fernando de Souza, e Tiago de Freitas.

A manifestação acontecerá, das 09 as 12 horas do dia 27 de fevereiro, na PR-436, no trevo de acesso ao distrito de Vila Guay, em Ibaiti.

Na reunião os representantes das instituições policiais se mostraram solidários ao tema reivindicado pela população, porém estão preocupados com a segurança da rodovia e dos participantes.

Para garantir a ordem e segurança ficaram estabelecidas algumas normas de segurança. A primeira é que o evento será distanciado da rodovia BR-153, assim evita a necessidade de interdição do trânsito.

Outras normas definidas foram a proibição do uso de fogos de artifício e a venda de bebidas alcoólicas no local.

Todas as normas de distanciamento social e prevenção à Covid-19, serão respeitadas.

Durante o evento a Polícia Militar Rodoviária e a Policia Rodoviária Federal estarão realizando o policiamento ostensivo no local.

Apoio legislativo federal
A manifestação contará com a presença do deputado federal Boca Aberta e de sua equipe. Ao ganhar proporção e conquistar apoios importantes, o movimento fortalece seu principal objetivo que é chamar a atenção do poder público estadual sobre este sofrimento que atinge a população local por cinco décadas.