Maioria dos óbitos por Covid-19 atinge pessoas idosas

Cornélio ProcópioAtaíde Cuqui

𝖥𝗈𝗍𝗈 𝗂𝗅𝗎𝗌𝗍𝗋𝖺𝗍𝗂𝗏𝖺 (𝖩𝗈𝗋𝗇𝖺𝗅 𝖽𝖺 𝖮𝗋𝗅𝖺): Idosos: grupo de risco dos mais vulneráveis

Não precisa nem estatística. Basta fazer um rápido levantamento das mortes causadas pela Covid-19 no município de Cornélio Procópio para constatar: a coexistência de doenças é mais que meio caminho andado para evolução desse mal que aflige a humanidade.  A maioria dos que perderam  a vida nessa luta contra a nova enfermidade é formada por idosos, notadamente nas faixas acima dos 80 anos ou pouco menos.

Cornélio Procópio, entretanto, não está isolado nessas condições. Isso vem ocorrendo em toda parte. Comorbidades  como pressão alta, infecções pulmonares e diabetes viraram tema recorrente, principalmente entre as autoridades sanitárias, na instalação e evolução do novo Coronavírus, cujo surto acabou virando uma pandemia de âmbito global.

Não que os jovens estão descartados desse processo. Mas, como todos nós sabemos, são doenças que acometem mais as pessoas que já têm o sistema imunológico baixo e quase sempre são portadoras de uma dessas enfermidades.

Nos últimos meses, tenho lido muito sobre isso. Curiosidade e até necessidade do jornalista em ter para si um pouco do domínio daquilo que, em determinados momentos, chamaram de “o novo normal”.  

Falei das faixas acima dos 80 ou um pouco menos.  Mas, isto não quer dizer que só idosos estão nessa área de risco. De acordo com relatos médicos, pacientes de qualquer idade, portadores de doenças de base como hipertensão e diabetes, são também vulneráveis e, consequentemente, suscetíveis ao óbito.

Muitas das pessoas são portadoras de alguma dessas enfermidades que combinam com a nova doença. Formam uma verdadeira bomba a detonar a qualquer momento. Vamos nos cuidar seguindo as precauções que todos já conhecem e, aos primeiros sinais  de febre, tosse e dificuldades para respirar, procurar o atendimento médico