Escolas SESI iniciam o ano letivo de 2021 com ensino a distância e híbrido

Cada departamento regional tem autonomia para definir o cronograma do ano letivo

Agências De Notícias CNI


Com uma estrutura preparada para o ensino a distância (EaD) e, em parte, presencial, conforme os protocolos de segurança sanitária, a rede de escolas do Serviço Social da Indústria (SESI) deve retomar as aulas em todas as 27 unidades federativas até 18 de fevereiro.

A data de início, assim como o modelo – que pode ser totalmente EaD ou híbrido, varia de estado para estado e de acordo com a determinação das autoridades locais. Cada departamento regional tem autonomia para definir o cronograma do ano letivo.

Em Juazeiro do Norte, no Ceará, por exemplo, as aulas começaram no dia 18 de janeiro, de maneira remota. Já no Acre e na Bahia, as atividades só serão retomadas na semana do dia 15 de fevereiro. A maioria dos estados, porém, escolheu a última semana de janeiro e a primeira de fevereiro para o retorno.

No ano passado, para garantir a aprendizagem de quase 190 mil estudantes, as mais de 500 escolas da rede apostaram nos aplicativos e nas plataformas, como o Microsoft Teams. Mesmo com a paralisação total de alguns dias, na segunda quinzena de março, o ano letivo pôde ser concluído em 2020, sem atrasos para este ano.

Atividades presenciais retomadas aos poucos

A gerente de Educação do SESI do Acre, Suzi Maria de Oliveira conta que a direção começa a planejar a volta às aulas no dia 18 de fevereiro.

“Depende de como vai estar a pandemia, mas a ideia era ter algumas turmas presenciais. No ano passado, recebemos, com autorização dos pais e do conselho estadual de educação, apenas os alunos especiais e os da nova EJA [Educação de Jovens e Adultos],” lembra Suzi.

Segundo ela, em razão dos dados alarmantes de coronavírus na capital, a escola ficou por um bom tempo fechada, abrindo apenas para esse grupo restrito de estudantes. “Eles tiveram dificuldade em casa, muitos não têm computador ou tem apenas um celular ruim, com problemas de conexão. Aí, com eles, voltamos seguindo o protocolo, com número máximo de alunos por sala” relatou a gerente.

Algumas unidades optaram por manter o ensino a distância no primeiro semestre de 2021

Em Goiás, onde há 13 unidades de ensino e cerca de 8.200 estudantes matriculados, as aulas começaram de forma remota na última segunda-feira (25). Decisão semelhante à dos regionais do Amazonas, Mato Grosso e Distrito Federal.

A gerente de Educação Básica do SESI de Goiás, Quissinia Freitas, explica que está sendo realizada uma pesquisa com os pais para iniciarem o modelo híbrido, com turmas presenciais e transmissão simultânea.

Em novembro, quando eles realizaram o mesmo levantamento, 82% das famílias disseram que não liberariam os filhos para o presencial.

“Os decretos municipais nos autorizam a trabalhar com até 30% da capacidade. A estrutura das nossas escolas já está adequada, com sinalização de distanciamento e muita comunicação com os alunos [dos protocolos] nos ambientes. Estamos conversando com a comunidade escolar, colaboradores e famílias, e a ideia é, a partir de 1º de fevereiro, iniciar a transição e, até 1º de março, toda a rede do estado já ter o híbrido”, planeja Quissinia.

Até no mesmo estado, as datas podem variar. Em São Paulo, por exemplo, as 144 unidades retornam entre os dias 25 de janeiro e 1º de fevereiro no modelo híbrido. Pais e alunos estão sendo comunicados e, em caso de dúvida, devem entrar em contato diretamente com a direção da escola em que estão matriculados.

Acesse o Guia SESI para retorno às aulas presenciais em tempos de Covid-19