Santa Casa é cobrada por redução no tempo de atendimento

Prefeitura do município cobrou solução por demora excessiva para atender quem procura o Pronto Socorro 

Da Redação 

 Imagem de arquivo (antes da pandemia), do Pronto Socorro de Jacarezinho (crédito: Antônio de Picolli)
 

A Santa Casa de Misericórdia de Jacarezinho foi cobrada pela prefeitura a reduzir o tempo de espera de pacientes para receber atendimento médico no Pronto Socorro da instituição, que presta o serviço de urgência e emergência ao município e é alvo de constantes – e antigas – reclamações.

A cobrança aconteceu em uma reunião recente entre o prefeito de Jacarezinho, Marcelo Palhares (PSD), o secretário municipal de Saúde, João Lucas Thabet Venturini, e o diretor da Santa Casa, Dr. Nílton José de Souza. Embora de forma diplomática, sabe-se que o teor do encontro foi de cobrança para que o tempo de espera de moradores na fila para atendimento médico seja drasticamente reduzido.


Prefeitura e Santa Casa debatem forma de dar agilidade no atendimento à população

A situação acontece como consequencia das seguidas reclamações dos moradores, que relatam horas e horas para conseguir consultas médicas e não raramente supostos casos de mau atendimento por parte de toda a equipe da Santa Casa. Marcelo Palhares desde sua campanha já havia dito que iria cobrar uma melhora significativa no serviço.

A título de contextualização, a gerência do Pronto Socorro é da Santa Casa, que por sua vez recebe subvenção da prefeitura para ofertar o serviço de urgência e emergência. O grande problema seria a falta de médicos e enfermeiros em número suficiente para atender tanto o hospital quanto o Pronto Socorro, o que acaba por gerar o longo tempo de espera por parte de pacientes.

O tema já foi relatado pela Tribuna do Vale diversas vezes, uma vez que as reclamações se tornaram frequentes nos últimos anos. Segundo o prefeito de Jacarezinho, município e Santa Casa buscam formas legais e viáveis de mudar esta realidade.

“Precisamos encontrar uma solução efetiva para o problema do Pronto Socorro. As pessoas não podem mais esperar tanto tempo por atendimento médico. Então estamos conversando com a Santa Casa para sanar essa questão o quanto antes, o que vai acontecer com a contratação de mais médicos e mais enfermeiros”, disse o prefeito.

 OUTRA COBRANÇA

Em três semanas da atual administração municipal esta é a segunda cobrança realizada pelo município à Santa Casa com relação ao atendimento à população. Na semana passada o secretário de Saúde de Jacarezinho se reuniu com representantes da instituição para definir um procedimento padrão a pacientes que eram encaminhados pela Unidade Sentinela com quadro de Covid-19.

A situação foi consequencia de reclamações graves de pacientes que testaram positivo e tiveram o atendimento questionado ao dar entrada na Santa Casa de Jacarezinho. Após a reunião em questão não houve novos relatos do gênero.

Sobrecarga no atendimento

O presidente da Santa Casa, o médico Nilton José de Souza, em nota encaminhada à redação da Tribuna do Vale, assinalou que, de acordo com reunião com prefeito Marcelo Palhares e secretário da Saúde do Município, João Lucas Thabet Venturini, a direção do hospital já havia formalizado pedido de reunião para discutir a sobrecarga de atendimentos causada, principalmente pela falta de resolutividade dos Postos de Saúde municipais.

“O atendimento de pequenas urgências é de responsabilidade do Município, através de instalação de Unidade de Pronto Atendimento- UPA, inviável devido ao alto custo de investimento e manutenção, restando ao Pronto Socorro o atendimento das urgências maiores e das pequenas urgências. Isso sufoca a unidade”, assinalou

Segundo Dr. Nilton, a subvenção que o município repassa, em torno de 138 mil reais mensais é insuficiente frente a uma despesa mensal de mais de 560 mil reais por mês. “O número de atendimentos do Pronto Socorro referentes a Jacarezinho gira em torno de 85 % do volume total, fato que sobrecarrega o serviço e dificulta a agilização do atendimento”, explica.

Continuando o dirigente da Santa Casa observa que na reunião com prefeito, dia 19 deste mês, foi cobrado pela direção do hospital um aumento da subvenção para contratação de mais um médico e enfermeiro, em estudo devido a questões orçamentárias do município.

Quanto aos pacientes encaminhados com suspeita de Covid-19, estes são separados em outro local de espera, mas respeitam a prioridade de atendimento destinado aos casos mais graves oriundos de Jacarezinho ou de outros municípios da região. “Infelizmente, o repasse insuficiente de recursos por parte do Município para contratação de mais profissionais e o fato da Santa Casa ser referência para todas as urgências da região, acarreta a sobrecarga e a consequente a morosidade no atendimento”, finaliza.