O CONTRATO DAS VACINAS

COLUNA CARLOS BRICKMANN

O presidente Bolsonaro escolheu bons parceiros para a tarefa de produzir vacinas contra a Coronavid: o Imperial College, de Oxford, centro mundial de excelência, e os laboratórios anglo-suecos AstraZeneca, cujo trabalho na área farmacêutica é muito respeitado. No Brasil, trabalhariam com o Instituto Oswaldo Cruz, Fiocruz, com mais de cem anos de trabalho competente.

O Governo brasileiro assinou contrato de compra de vacinas. Então, cadê as vacinas? O Reino Unido já utiliza as vacinas de Oxford, a Anvisa já deu sinal verde ao imunizante, e por que não aparecem as vacinas prontas nem o material ativo para que a Fiocruz o prepare em seus laboratórios? Oxford e AstraZeneca cumprem seus contratos. Pode ser que, no contrato, determinem que vacinas e materiais destinados ao Brasil sejam produzidos no Instituto Serum, da Índia. Tudo bem. Mas como explicar a Operação Tabajara em que Bolsonaro e o general da Saúde envolveram o Brasil, pedindo que a Índia quebrasse nosso galho, alugando um avião e no fim não conseguindo nada?

Há várias versões correndo. Uma delas diz que as vacinas seriam enviadas ao Brasil 60 dias após a assinatura do contrato, e falta tempo para completar esse prazo. Mas há um documento que resolve todos esses problemas: que é que diz o contrato? O Brasil teria mesmo comprado só dois milhões de doses, quando precisa de 300 milhões (ou 200, descontando a CoronaVac)?

Alô, parlamentares, STF, Governo: cadê o contrato? É a chave da história.

Aos fatos

Como dizem o presidente e seus assessores, o governador João Doria usa calça apertada, sapatênis, gravatas de marca. Mas, sem as “vachinas” que o Governo paulista e o Butantan contrataram, não haveria vacina nenhuma no Brasil. E o que há por aqui é pouco: o total de compras do Butantan atinge 46 milhões de vacinas, das quais seis foram entregues e mal dão para iniciar a imunização. Até ontem, boa parte do material já comprado pelo Butantan estava parada na China, sabe-se lá por que (também está lá o lote destinado à Fiocruz).

Que é que está acontecendo? Produtos destinados à produção de remédios não podem simplesmente ficar parados, sem explicação. Há quem diga que é retaliação chinesa às declarações provocativas do presidente e de seus assessores. Não importa: é inadmissível.

Por onde anda o Itamaraty?
Às alternativas

É preferível imaginar que o problema seja outro. Mas, se for retaliação, o Brasil também vende à China produtos de que necessitam. O comércio é bom para os dois lados, e sua redução é ruim para ambos. De qualquer forma, há alternativas no mercado para vacinação: a Índia tem produtos que não fazem parte de sua vacinação nacional, a Rússia tem a Sputnik 5 – e na semana que vem inicia testes conjuntos com a AstraZeneca e a vacina de Oxford. As duas vedetes do mercado, Pfizer e Moderna, com vacinas produzidas sem vírus, talvez não tenham produção suficiente para o Brasil. O problema é que tudo isso atrasa a vacinação, já atrasada. Melhor seria o Itamaraty entrar no jogo.

Do chão não passa

O final da ajuda de emergência (o coronavoucher) já está custando caro ao presidente Bolsonaro: os que aprovam sua administração caíram de 38% para 32%. A avaliação negativa já supera a positiva: subiu de 35 para 40%.

A queda coincide com a má opinião sobre a luta contra a Covid: 52%. O número vem subindo desde dezembro – a alta agora foi de 4%.

Bolsonaro já caiu e já subiu. Faz parte da oscilação das pesquisas. Parece, porém, que nas atuais circunstâncias, visto como pouco eficiente na gestão da pandemia, e quando desaparece o coronavoucher, seja pouco provável uma oscilação positiva. Algo semelhante ao coronavoucher é do que precisa.

A eleição

Se as eleições fossem agora, Bolsonaro provavelmente ganharia. Nada de avassalador, mas sólido: 28%. Bem longe, seguem-se Sérgio Moro (12%), Ciro Gomes e Fernando Haddad (11%), Luciano Huck (7%), Guilherme Boulos (5%), João Doria (4%), João Amoêdo (3%) e Luiz Mandetta (3%).

Em segundo turno, a pesquisa indica que Moro venceria Bolsonaro, mas num quase empate, dentro da margem de erro: 36% a 33%. Nas últimas pesquisas, Bolsonaro vencia Moro por 36% a 34%. Mas é só Moro: outros candidatos seriam todos derrotados pelo atual presidente. Haddad (42 a 37), Ciro (40 a 37), Boulos (44 a 31) e Huck (38 a 34). Importante: em alguns casos, a diferença pode se ampliar ou se desfazer durante a campanha.

A surpresa

A pesquisa foi realizada pelo IPESPE a pedido da corretora XP, que tem interesse em manter informados seus investidores. A surpresa foi Luciano Huck, que não tem partido, não sabe se vai ser candidato, mas que só perderia de Bolsonaro por 38 a 34 – na verdade, empate técnico, dentro da margem de erro. Mas faltam dois anos, até lá tudo pode (e deve) mudar. Afinal, lá por 2016, quem imaginaria a disparada de Bolsonaro?