Ribeirão Claro

Conselho cria abaixo-assinado para alertar para baixo nível de Chavantes

Campanha #AngraDocepedeSocorro, tem por objetivo dar visibilidade nacional ao nível baixo do reservatório

Da Redação

Represa de Chavantes precisa da união dos municípios
CRÉDITO: Contur

O nível da água da represa de Chavantes, que opera atualmente entre 15% e 20% tem preocupado autoridades, população e empreendimentos do interior de São Paulo e região do Norte Pioneiro do Paraná. Diante disso, o Conselho Municipal de Turismo (Comtur), de Fartura, lançou recentemente uma campanha para questionar a forma como a multinacional chinesa CTG Brasil tem atuado na gestão do nível da água do reservatório.

Com isso, o abaixo-assinado, tem por finalidade apresentar aos diretores e representantes da Agência Nacional de Águas (ANA), da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a indignação e descontentamento de ambas as regiões em relação ao baixo volume de água do reservatório. Visto que, os 14 municípios margeados pela represa dependem da água para o abastecimento, atividade agrícola, pecuária, pesca e principalmente para o turismo.

O nível da água da represa de Chavantes opera atualmente entre 15% e 20%
CRÉDITO: Antônio de Picolli

O baixo volume da represa já está prejudicando gravemente a economia da região Angra Doce, conforme relata o morador de Carlópolis, Celso Rodrigues Paiva. “O turismo que é nosso maior potencial tem passado por um ano difícil. Já houve uma redução drástica de turistas em virtude da pandemia, mas com a represa tão baixa tememos por prejuízos ainda maiores, visto que, não sabemos quando a represa conseguirá se recuperar. As paisagens já não são mais as mesmas. Tínhamos no nosso quintal um verdadeiro mar de águas cristalinas e belezas naturais”, lamentou o morador.

A campanha #AngraDocePedeSocorro já reuniu mais de 4,4 mil assinaturas e está disponível no endereço eletrônico: https://www.change.org/p/vereadores-angradocepedesocorro. O Contur quer angariar o máximo de assinaturas para ganhar visibilidade regional e nacional à situação, que tem afetado os setores.

Recentemente, o deputado federal Capitão Augusto (SP), disparou no WhatsApp, alguns áudios já alertando as prefeituras da região sobre a represa, após reunião com a ONS. “Tivemos uma péssima notícia. Devido aos reservatórios estarem muito baixos, mandaram liberar todas as comportas Jurumirim, Chavantes e Capivara, que acham que é para abastecer a Usina de Itaipu, em virtude da crise de energia elétrica. Já estou fazendo contato com Brasília (DF) para tentar reverter essa situação. Até mesmo os vertedouros serão abertos”, revela em um dos trechos gravados.

Em outra gravação, o deputado sugere como as prefeituras e empresas devem proceder. “Utilizar os Departamentos Jurídicos das prefeituras e das empresas para fazer um documento para o Ministério Público e ao Judiciário, para que eles proíbam essa vazão nesse porte. Porque isso vai acabar com a nossa fauna, flora, rios e com os peixes que estão desovando. Então preciso desse apoio para eu encaminhar ao MP e Judiciário de São Paulo e do Paraná”, diz Capitão Augusto.

Deixe um Comentário